Future of Money

Minerador movimenta bitcoins pela 1ª vez desde 2014 e tem lucro de R$ 16 milhões

Movimentação foi detectada por empresa de monitoramento de blockchains, mas destino do montante de criptomoedas é incerto

Bitcoin disparou mais de 60% nos primeiros meses de 2024 (Reprodução/Reprodução)

Bitcoin disparou mais de 60% nos primeiros meses de 2024 (Reprodução/Reprodução)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 28 de junho de 2024 às 16h20.

Um minerador de criptomoedas reativou sua carteira digital pela primeira vez em 14 anos e movimentou 50 unidades de bitcoin que ele havia obtido por meio da mineração do ativo. Considerando a valorização do ativo desde então, ele obteve um lucro de mais de US$ 3 milhões (mais de R$ 16 milhões, na cotação atual).

O "despertar" da carteira foi identificado pela LookOnChain, empresa especializada no monitoramento de redes blockchains. De acordo com a companhia, a movimentação ocorreu na última quarta-feira, 26, com o montante sendo enviado para uma outra carteira na corretora de criptomoedas Binance.

A tecnologia blockchain permite que dados sobre transferências de ativos e valores armazenados em carteiras sejam acessados por qualquer usuário. Entretanto, a transparência não envolve uma identificação sobre quem é o dono dos ativos ou o destinatário de transferências.

Por isso, não há como saber inicialmente a identidade do dono dessas unidades de bitcoin. Além disso, também não há como saber o que o usuário fez com os ativos depois da transferência. Em geral, movimentações para carteiras de exchanges envolvem uma intenção de venda do ativo.

Nesse caso, o minerador teria uma realização milionária de lucro, aproveitando uma trajetória ascendente de 14 anos do preço do bitcoin. Em 2010, a criptomoeda era avaliada em cerca de US$ 0,003. Atualmente, o ativo possui uma cotação na casa dos US$ 60 mil.

A movimentação também ocorreu alguns dias antes do aniversário da data em que as unidades da criptomoeda foram mineradas. Segundo a LookOnChain, a mineração dos ativos ocorreu em 14 de julho de 2010, mas eles não eram movimentados da carteira desde então.

Em geral, esse longo período sem movimentações ocorre ou porque o usuário perdeu o acesso à carteira digital ou porque ele adotou uma estratégia de longo prazo, esperando que o bitcoin tivesse uma valorização significativa no acumulado de muitos anos para então realizar lucros.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:BitcoinMineração de bitcoinCriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Brasil tem 6ª maior adoção de criptomoedas no mundo, mas Argentina lidera na América Latina

Worldcoin, ligada a Sam Altman, dispara mais de 30% antes de distribuição gratuita

Mt. Gox movimenta mais R$ 15 bilhões em bitcoin, enquanto mercado teme novas quedas

J. D. Vance, vice de Trump, defende criptomoedas e já investiu em bitcoin

Mais na Exame