Future of Money

Milei diz que "não há problemas" para usar bitcoin em pagamentos na Argentina

Presidente da Argentina afirmou que país terá "livre concorrência" de moedas, incluindo de ativos digitais

Javier Milei é o atual presidente da Argentina (Oscar Rivera/AFP)

Javier Milei é o atual presidente da Argentina (Oscar Rivera/AFP)

João Pedro Malar
João Pedro Malar

Repórter do Future of Money

Publicado em 21 de junho de 2024 às 15h52.

O presidente da Argentina, Javier Milei, afirmou na última quarta-feira, 19, que a população do país pode usar bitcoin em transações "sem problemas". Em resposta a um usuário no X, antigo Twitter, o político disse que defende uma "livre concorrência" entre moedas na economia argentina, em linha com conjunto de medidas aprovado recentemente no Congresso.

Milei falou sobre o tema em resposta a um comentário de um usuário no X, antigo Twitter. O usuário respondeu a uma publicação de Milei que falava "olá a todos", dizendo que desejava "bitcoin para todos". Em seguida, ele recebeu uma resposta do próprio presidente sobre a possibilidade.

"Haverá livre concorrência de moedas [na Argentina], então, se você quiser usar bitcoin não haverá problemas... e você também poderá usar outras unidades como WTI, BTU e aquela que for mais adequada para o seu negócio. Em termos contábeis, isso é resolvido pelo método da moeda funcional", disse.

Apesar de não citá-la diretamente, a mudança citada por Milei faz parte da chamada Lei de Bases, um pacote de reformas econômicas propostas pelo presidente e que foi aprovada recentemente no Congresso, com 238 artigos que vão de uma reforma trabalhista a privatizações.

Um dos temas da reforma é exatamente a permissão para que estabelecimentos comerciais e empresas possam usar outras moedas ou até trocas de itens como forma de pagamentos. A proposta já havia sido adiantada no final de dezembro de 2023, pouco após a vitória de Milei nas eleições presidenciais.

À época, a ministra de Relações Exteriores da Argentina, Diana Mondino, disse que medida abre margem para uso de diferentes ativos ou produtos como pagamento, incluindo commodities e o bitcoin. Em sua publicação, Mondino citou também exemplos com litros de leite ou quilos de carne.

  • Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.  

Apesar de permitir o uso de criptomoedas, a publicação de Milei deixa claro que o peso argentino continua sendo a única moeda oficial do país, citada como a "moeda funcional". Com isso, a Argentina se distancia de El Salvador, que tornou o bitcoin uma moeda de curso legal em 2021.

A vitória de Javier Milei nas eleições da Argentina animou muitos entusiastas do bitcoin. Em diferentes momentos, ele chegou a elogiar o bitcoin, definindo a maior criptomoeda do mundo como uma "reação contra os golpistas dos bancos centrais" e uma resposta ao que ele acredita ser uma "manipulação de moedas fiduciárias por parte de bancos centrais e governos".

Entretanto, o político não reconheceu o bitcoin como uma possível alternativa de moeda nacional. Para ele, a criptomoeda é uma opção de investimento para diversificação de carteiras, cujo valor vem do fato de "não estar ligada a nenhum governo ou entidade".

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:ArgentinaJavier MileiCriptomoedasBitcoin

Mais de Future of Money

União Europeia vai apoiar projeto que usa blockchain para criar soluções de sustentabilidade

ETFs de Ethereum podem atrair US$ 10 bilhões e levar cripto à máxima histórica, diz analista

Show com Lauryn Hill e Mano Brown no Allianz Parque lança NFTs comemorativos

Governo da Alemanha conclui vendas de bitcoin e soma R$ 15 bilhões arrecadados

Mais na Exame