Justiça americana recupera US$3,6 bi em cripto de hack da Bitfinex

O Departamento de Justiça e o FBI recuperaram o montante de um ataque cibernético histórico ocorrido em 2016 na corretora Bitfinex, demonstrando que as criptomoedas não são um refúgio para criminosos
"O departamento mais uma vez mostrou como pode e seguirá o dinheiro, não importa a forma que ele assuma", disse a vice-procuradora-geral Lisa Monaco. (Oliver Nicolaas Ponder / EyeEm/Getty Images)
"O departamento mais uma vez mostrou como pode e seguirá o dinheiro, não importa a forma que ele assuma", disse a vice-procuradora-geral Lisa Monaco. (Oliver Nicolaas Ponder / EyeEm/Getty Images)
C
Cointelegraph Brasil

Publicado em 09/02/2022 às 10:24.

Última atualização em 09/02/2022 às 12:10.

Autoridades nos Estados Unidos fizeram prisões e anunciaram a apreensão de US$ 3,6 bilhões em criptomoedas mais de cinco anos depois que hackers roubaram 119.756 bitcoins da exchange Bitfinex.

Em um anúncio na terça-feira, 8, o Departamento de Justiça dos EUA disse que ordenou a prisão de Ilya Lichtenstein e sua esposa Heather Morgan por supostamente conspirar para lavar criptomoedas conectadas ao hack da Bitfinex em 2016. Os 119.756 bitcoins - no valor de US$ 72 milhões no momento em que os hackers violaram a segurança na exchange em agosto de 2016 - agora estão avaliados em mais de US$ 5,1 bilhões.

Desde o hack de 2016, os indivíduos conectados às moedas roubadas moveram periodicamente pequenas quantidades delas em transações separadas, deixando a maior parte dos fundos intocada. O Departamento de Justiça informou que rastreou 25.000 BTC desses fundos transferidos para contas financeiras controladas por Lichtenstein e Morgan. Agentes especiais conseguiram acessar e apreender mais de 94.000 BTC - no valor de US$ 3,6 bilhões na época - de Morgan e Lichtenstein depois que um mandado de busca permitiu que eles visualizassem arquivos contendo chaves privadas da carteira.

“As prisões de hoje e a maior apreensão financeira do departamento de todos os tempos mostram que as criptomoedas não são um refúgio seguro para criminosos”, disse a vice-procuradora-geral Lisa Monaco. “Em um esforço inútil para manter o anonimato digital, os réus lavaram fundos roubados por meio de um labirinto de transações de criptomoedas. Graças ao trabalho meticuloso da aplicação da lei, o departamento mais uma vez mostrou como pode e seguirá o dinheiro, não importa a forma que ele assuma”.

O procurador-geral assistente da divisão criminal do Departamento de Justiça, Kenneth Polite, acrescentou que as autoridades federais têm a capacidade de “seguir o dinheiro através do blockchain”. O anúncio afirmou que Morgan e Lichtenstein usaram uma variedade de métodos para lavar as criptomoedas ilícitas, incluindo chain hopping, depositar as moedas em exchanges e mercados da darknet e retirá-las e automatizar transações usando programas de computador. Além disso, a dupla supostamente abriu contas comerciais nos Estados Unidos para “legitimar sua atividade bancária”.

Ambas as equipes de investigação do FBI e da Unidade de Crimes Cibernéticos da agência de investigação criminal da Receita Federal disseram que trabalharam para rastrear os fundos do hack de 2016. Embora nenhuma agência tenha especificado como as autoridades foram inicialmente levadas a Morgan e Lichtenstein, o vice-diretor do FBI, Paul Abbate, disse que a agência tinha “as ferramentas para seguir a trilha digital”.

As ações do Departamento de Justiça representam a maior apreensão de criptomoedas pelas autoridades governamentais, com o hack da Bitfinex em 2016 sendo um dos maiores roubos da história do espaço cripto. As autoridades acusaram Lichtenstein e Morgan de conspiração para cometer lavagem de dinheiro e conspiração para fraudar os Estados Unidos. Cada um pode pegar até 25 anos de prisão.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok