Future of Money

Gigantes de Wall Street "financiam a poluição do bitcoin", diz Greenpeace

Apesar de iniciativas sustentáveis, ONG ainda acredita que mineração de bitcoin colabore para poluição e culpa gigantes do mercado financeiro como BlackRock e Fidelity por "financiamento"

Digital generated image of top view of forest cut in shape of bitcoin sign. Deforestation and resource waste concept. (Getty Images/Reprodução)

Digital generated image of top view of forest cut in shape of bitcoin sign. Deforestation and resource waste concept. (Getty Images/Reprodução)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 14 de junho de 2024 às 16h27.

Última atualização em 14 de junho de 2024 às 16h40.

Tudo sobreBitcoin
Saiba mais

Principais instituições financeiras de Wall Street devem ser responsabilizadas por financiar a indústria de mineração de bitcoin, que emite grandes quantidades de carbono, de acordo com um novo relatório da Greenpeace USA.

O relatório, intitulado “Financiando a Poluição do Bitcoin: Como as Grandes Finanças Apoiam uma Nova Ameaça Climática”, da organização não governamental focada no meio ambiente (ONG), difere dos relatórios anteriores da Greenpeace sobre a indústria de mineração de bitcoin.

No relatório, os principais personagens não são os próprios mineradores de bitcoin, mas Wall Street e a indústria bancária.

A Greenpeace afirma que as grandes finanças apoiam a mineração de bitcoin ao criar incentivos econômicos, continuando assim a ameaça ecológica que a indústria representa.

O relatório menciona Trinity Capital, Stone Ridge Holdings, BlackRock, Vanguard e MassMutual como os cinco principais financiadores da poluição por carbono das empresas de mineração de bitcoin.

De acordo com o relatório, eles juntos foram responsáveis por mais de 1,7 milhão de toneladas métricas de dióxido de carbono (CO2) em 2022 — equivalente às emissões de mais de 335.000 casas americanas usando eletricidade por um ano.

O Greenpeace afirmou que a mineração de bitcoin cresceu e se tornou uma grande indústria comercial, onde as empresas precisam de acesso a capital significativo para construir instalações e comprar equipamentos de computação.

Os mineradores dependem do apoio de bancos e gestores de ativos, com Wall Street e a indústria bancária atendendo ao chamado, ansiosos por sua parte dos lucros.

O relatório diz que empresas como a BlackRock devem ser responsabilizadas por fomentar a indústria de mineração:

“Bancos e gestores de ativos têm o dever de divulgar riscos aos seus acionistas e clientes, que atualmente estão perdendo informações vitais sobre os riscos climáticos do Bitcoin.”

A Greenpeace critica a falta de escrutínio sobre como os investimentos de empresas de finanças tradicionais permitem operações de mineração de bitcoin intensivas em carbono.

A Greenpeace também afirma que a indústria de mineração de criptomoedas carece de divulgação e transparência, o que “permite que as empresas de mineração de bitcoin evitem a responsabilização e obscureçam a escala do problema climático do Bitcoin.”

Essa “falta de relatórios confiáveis sobre eletricidade e emissões” dificulta que investidores, partes interessadas e reguladores tomem decisões informadas se desejarem seguir políticas verdes.

A ONG acredita que as empresas financeiras envolvidas na mineração de bitcoin devem relatar as emissões associadas aos seus investimentos e serviços de subscrição para empresas de mineração de bitcoin.

Greenpeace diz que Wall Street está financiando a mudança climática

A Greenpeace disse que é hipócrita que os bancos tenham metas verdes e de sustentabilidade em sua agenda, mas também invistam ou financiem a indústria de mineração de criptomoedas.

Nos Estados Unidos, o Texas se tornou um centro global para mineradores de bitcoin, absorvendo um número significativo de mineradores que abandonaram a China após sua proibição de mineração.

A Greenpeace acusa as empresas de Wall Street de financiarem essa nova corrida ao ouro, que resultou na construção de muitas instalações de mineração de BTC. O relatório destacou o caso da instalação da Riot Platforms perto de Rockdale. Segundo estimativas da Greenpeace de 2022, a saída de emissões de carbono da instalação de mineração foi a maior.

Os principais financiadores da instalação da Riot foram Vanguard, BlackRock, Morgan Stanley e State Street.

Citando dados do Cambridge Bitcoin Electricity Consumption Index (CBECI), a Greenpeace disse que a instalação da Riot sozinha foi responsável por 526.000 toneladas métricas de CO2, equivalente ao carbono emitido por 100.000 casas americanas por ano.

A Greenpeace destacou o paradoxo da BlackRock, que é um suposto líder em investimento sustentável.

A ONG enfatizou que a BlackRock é signatária da iniciativa Net Zero Asset Managers, que inclui o compromisso de apoiar emissões líquidas zero até 2050, em linha com os esforços para limitar o aquecimento global a 1,5°C.

No entanto, entre as 540 instituições financeiras no estudo da Greenpeace, a BlackRock teve a terceira maior emissão de carbono de seus investimentos em mineração de bitcoin.

A Greenpeace também disse que empresas com baixa reputação de apoio a criptomoedas, como as empresas públicas M&T Bank e MassMutual, emitiram empréstimos para mineradores em 2022.

A MassMutual emprestou US$ 100 milhões a mineradora de bitcoin Core Scientific, financiando mais de 250.000 toneladas métricas de CO2. O M&T emprestou US$ 174 milhões para construir as instalações da Terawulf, produzindo 31.800 toneladas métricas de CO2.

Johanna Fornberg, especialista sênior em pesquisa da Greenpeace USA, disse que “principais financiadores como BlackRock, Vanguard e MassMutual estão possibilitando esse pesadelo de carbono e evitando a divulgação ou responsabilização de como isso se encaixa em suas metas climáticas.”

Greenwashing de mineradoras de Bitcoin segue a indústria do tabaco

O Greenpeace acusou a indústria de bitcoin de “fazer afirmações falsas e de greenwashing em relação ao impacto ambiental do bitcoin” ao afirmar que os supostos benefícios ambientais e sociais estão impulsionando a transição para energias renováveis e ajudando a rede elétrica.

O relatório comparou a estratégia da indústria de bitcoin a “um manual da indústria do tabaco e de combustíveis fósseis.” A ONG acusou os líderes da mineração de bitcoin de publicar “estudos enganosos em revistas científicas predatórias” escritos por representantes da indústria “em uma tentativa de pintar uma imagem verde.”

A Greenpeace afirma que muitos desses artigos são “comumente escritos por pessoas que trabalham para empresas de mineração de bitcoin ou associações comerciais com conflitos de interesse flagrantes” e são submetidos a revistas conhecidas por seus processos de revisão por pares deficientes. Uma vez publicados, a indústria vende esses artigos ao público como ciência rigorosa.

Os artigos alegam que a mineração intensiva em energia do bitcoin é boa para o meio ambiente ao incentivar a compra de energia renovável ociosa e fornecer estabilidade às redes elétricas. No entanto, a Greenpeace acredita que essas ideias são “especulativas, contestadas ou falsas.”

Além disso, a Greenpeace afirma que alguns mineradores de bitcoin estão reduzindo sua pegada de carbono artificialmente ao “comprar Créditos de Energia Renovável (RECs) e relatar emissões ‘baseadas no mercado’ com base em RECs e compensações de carbono.”

Dessa forma, eles afirmam um uso maior de energia renovável e exibem menores emissões de carbono.

Muitas empresas usam RECs; no entanto, a Greenpeace disse que esses instrumentos baseados no mercado são “notoriamente desregulados e muitas vezes fazem pouco ou nada para reduzir as emissões de carbono ou estimular o desenvolvimento de energia renovável.”

Taxa para mineradores ou atualização para PoS

A Greenpeace acredita que regulamentação e tributação devem ser usadas para "eliminar o enorme apetite por energia" dos mineradores de bitcoin. Ela afirma que os EUA precisam de "políticas que façam os mineradores pagarem pelos custos ambientais, sociais e econômicos de suas operações."

A ONG concorda com as tentativas de tributação da administração do presidente dos EUA, Joe Biden, incorporadas no imposto Digital Asset Mining Energy (DAME). A Greenpeace afirmou que o imposto poderia "incentivar os mineradores a limparem suas operações."

Para a indústria de criptomoedas, a proposta de imposto de Biden é uma tentativa clara de matar a indústria americana de mineração de criptomoedas.

As eleições nos EUA estão a apenas cinco meses de distância, e a regulamentação das criptomoedas tornou-se um tópico de discussão em campanhas políticas.

O ex-presidente Donald Trump está se posicionando como o candidato pró-cripto, apoiando os mineradores na busca de bitcoin "feito nos EUA." Por outro lado, a postura anti-cripto de Biden pode lhe custar votos em alguns estados decisivos, o que poderia levar o presidente a repensar sua posição forte contra as criptomoedas.

Além do imposto, a Greenpeace apresentou outra rota para a mineração de bitcoin permanecer nos Estados Unidos. Seguindo sua controversa campanha Change the Code, ela defendeu que o bitcoin mudasse seu protocolo de consenso de prova de trabalho para prova de participação (PoS), como fez a Ethereum.

A comunidade e os desenvolvedores de bitcoin se opõem veementemente a essa opção, dizendo que isso destruiria a forma descentralizada de dinheiro que representa, impedindo assim que o bitcoin permanecesse como "dinheiro sólido."

Houve tentativas de bifurcar o bitcoin com um algoritmo de prova de participação (PoS), que gerou economia de 99,9% de energia para a Ethereum, mas a comunidade não o apoiou.

A afirmação da Greenpeace de que os mineradores de bitcoin empregam táticas enganosas para influenciar a opinião pública pode desencadear conflitos na comunidade de criptomoedas.

Essa fricção ecoa a resposta ao recente relatório da Greenpeace, "Mining for Power", que a comunidade de bitcoin criticou por sua perspectiva unilateral percebida e potencial conflito de interesses, dado que a campanha Change the Code é diretamente financiada pelo cofundador da Ripple, Chris Larsen.

Para você que adora ler notícias de crypto, a Mynt é o aplicativo ideal para você. Invista e aprenda sobre crypto ao mesmo tempo com conteúdos descomplicados para todos os públicos. Clique aqui para abrir sua conta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Leia mais

Acompanhe tudo sobre:Mineração de bitcoinGreenpeaceSustentabilidadeCriptoativos

Mais de Future of Money

União Europeia vai apoiar projeto que usa blockchain para criar soluções de sustentabilidade

ETFs de Ethereum podem atrair US$ 10 bilhões e levar cripto à máxima histórica, diz analista

Show com Lauryn Hill e Mano Brown no Allianz Parque lança NFTs comemorativos

Governo da Alemanha conclui vendas de bitcoin e soma R$ 15 bilhões arrecadados

Mais na Exame