Future of Money

Gigante do agronegócio usa criptomoeda lastreada em fertilizantes para aumentar vendas

Criada em 2022, Cibracoin é um token que equivale aos quilos de fertilizantes, facilitando negociação com produtores rurais

Tecnologia blockchain tem sido cada vez mais usada no agronegócio (Reprodução/Reprodução)

Tecnologia blockchain tem sido cada vez mais usada no agronegócio (Reprodução/Reprodução)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 11 de maio de 2023 às 14h25.

O mar de Salvador, na Bahia, parece ter servido de inspiração para o colombiano Franco Jamarillo em sua empreitada que já dura uma década à frente das operações brasileiras da gigante do agronegócio Cibra. Ela tem na capital baiana, próximo ao polo de Camaçari, a principal unidade das 13 fábricas da empresa, que é controlada pela estadunidense Ominex e a britânica Anglo American e está presente há 30 anos no Brasil.

Jamarillo e seu time administrativo, cuja atuação é 100% digital, trabalham as criptomoedas como uma das principais apostas para ajudarem a Cibra a faturar R$ 10 bilhões em fertilizantes em 2023, quase 30% acima dos R$ 7,8 bilhões registrados em 2022. O grande destaque é a CibraCoin, lançada em abril do ano passado pela gigante dos fertilizantes e que funciona como um token lastreado em quilos de fertilizante.

Em entrevista à Forbes, o executivo afirmou estar surpreso com a aceitação do token, disponibilizado na plataforma da corretora brasileira Foxbit. Segundo ele, a migração dos produtores rurais para o modelo tokenizado é um processo de educação, já que muitos deles ainda não tiveram contato com a tecnologia blockchain.

Ele disse ainda que um dos principais desafios junto a produtores e investidores é a disseminação da ideia de que as criptomoedas não trazem novos risco, mas sim o contrário, já que representam uma “ferramenta para a produção agrícola” e podem servir também como uma nova forma de comprar fertilizantes, além da possibilidade de investimento.

Blockchain e agronegócio

Segundo Jamarillo, 1 quilo de fertilizante equivale a 1 Cibracoin. Ele destacou que o token serve como proteção à variação de preços da commodity no mercado porque permite ao produtor pagar a Cibra utilizando o Cibracoin no momento em que achar oportuno, já que o token serve como uma espécie de stablecoin, lastreada no preço do fertilizante.

O colombiano também destacou que, além das criptomoedas, o modelo digital impactou a rotina da empresa, que passou a adotar o modelo home office, o que permitiu a distribuição dos funcionários das 13 unidades, morando em 100 cidades diferentes. O que representa um total de 500 dos 1000 funcionários da empresa.

O exemplo da Cibracoin mostra como a tecnologia blockchain tem sido cada vez mais usada no mundo do agronegócio, inclusive no Brasil. Em outro caso de uso, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) optou pela utilização da tecnologia para realizar o rastreamento da produção de açúcar mascavo, com implementação bem-sucedida em uma usina.

Aproveite todas as possibilidades do mundo crypto. A Mynt ajuda você a explorar o melhor do mercado com segurança e diversidade de criptomoedas. Clique aqui para abrir sua conta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Acompanhe tudo sobre:AgronegócioBlockchainCriptomoedas

Mais de Future of Money

Governo da Alemanha conclui vendas de bitcoin e soma R$ 15 bilhões arrecadados

Goldman Sachs vai lançar projetos de tokenização de ativos até o fim de 2024

JPMorgan diz que mercado cripto terá nova alta em agosto, com queda nas vendas de bitcoin

Bitcoin encerra semana com recuperação, mas riscos com pressão de venda continuam

Mais na Exame