Future of Money

EUA, Alemanha, Reino Unido: saiba quais países possuem bilhões em bitcoin

Dados mais recentes apontam que governos de quatro países possuem quase R$ 100 bilhões em unidades da criptomoeda

Bitcoin voltou a cair com incertezas no mercado (Reprodução/Reprodução)

Bitcoin voltou a cair com incertezas no mercado (Reprodução/Reprodução)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 8 de julho de 2024 às 15h59.

Última atualização em 8 de julho de 2024 às 16h07.

Movimentações recentes de bitcoin pelo governo da Alemanha reforçaram a atenção – e cautela – que os investidores do mercado de criptomoedas têm em relação às unidades do ativo que estão sob posse de governos de diferentes países. E um levantamento recente deu mais detalhes sobre essas quantias.

A empresa de análise de redes blockchains Arkham Intel divulgou nesta segunda-feira, 8, um levantamento que identificou diversas carteiras digitais que pertencem aos governos de quatro países que, juntos, somam US$ 17,8 bilhões (R$ 97,37 bilhões, na cotação atual) em unidades de bitcoin.

O levantamento leva em conta trabalhos investigativos a partir de movimentações e origem dos ativos, já que a tecnologia blockchain não possui informações de identificação sobre o dono de uma carteira digital. Por isso, os números são aproximações e podem variar.

O levantamento da Arkham Intel indica que, além da Alemanha, outros países têm potencial para derrubar o preço do bitcoin dependendo de suas movimentações de ativos. E um governo em específico possui um potencial de impacto ainda maior, concentrando mais da metade dessas unidades.

Estados Unidos

Os dados da Arkham Intel apontam que, atualmente, o governo dos Estados Unidos possui US$ 12 bilhões em unidades de bitcoin, figurando entre os maiores detentores do ativo. Esporadicamente, movimentações dessas unidades costumam causar medo no mercado e impactam o preço da criptomoeda.

Assim como no caso de outros países, a quantia é proveniente de apreensões feitas durante o combate a criminosos. No caso dos EUA, boa parte das unidades foi apreendida durante a operação que pôs fim em 2013 ao Silk Road, um site de e-commerce ilegal que operava na chamada deep web.

Apesar de a operação ter ocorrido há mais de dez anos, o governo dos Estados Unidos demorou mais tempo para rastrear e confiscar as unidades. Em 2020, autoridades anunciaram a apreensão de US$ 1 bilhão em bitcoin. Em geral, as vendas da criptomoeda ocorrem via leilão.

Reino Unido

O levantamento aponta ainda que o governo do Reino Unido possui aproximadamente US$ 3,3 bilhões em unidades da criptomoeda. A maior parte dos ativos também foi apreendida em operações policiais realizadas ao longo do ano, confiscando a quantia de criminosos.

O caso mais famoso ocorreu em 2021, quando as autoridades apreenderam US$ 180 milhões em bitcoin que eram usados para lavagem de dinheiro. Assim como no caso dos EUA, as vendas desses ativos digitais costumam ocorrer por meio de leilões, mas são mais raras.

Alemanha

A Alemanha é o país que mais tem amedrontado investidores de criptomoedas nos últimos dias. Dados da Arkham Intel apontam que o país possui cerca de US$ 2,2 bilhões em reservas do ativo, também apreendidas principalmente a partir de operações policiais.

Desde o início de junho, porém, o governo do país tem movimentado esses ativos, enviando as quantias para corretoras de criptomoedas. A transferência para corretoras tradicionalmente ocorre logo antes da venda dos ativos, indicando que o governo decidiu se desfazer dos bitcoins sem um leilão.

Dados mais recentes indicam que, até o momento, o governo do país já movimentou US$ 900 milhões em unidades da criptomoeda, que potencialmente já foram vendidas ou estão prestes a serem vendidas.

El Salvador

No caso de El Salvador, a identificação das reservas da criptomoeda é mais simples. O país adotou o bitcoin como moeda legal em 2021 e tem usado o ativo como reserva de valor, divulgando publicamente quais são os endereços de carteiras digitais usados para isso.

Baseada nessa divulgação, a Arkham Intel aponta que o país possui, atualmente, US$ 314 milhões de unidades do ativo. Também diferentemente de outros países, a quantia foi obtida por meio de compras pelo governo, e não por meio de apreensões.

E a China?

Apesar de não estar na lista da Arkham Intel, a China também está entre os países que detêm quantias significativas de bitcoin. O volume também é proveniente de apreensões de criminosos.

Dados da plataforma Bitcoin Treasuries apontam que o governo do país detém cerca de US$ 12 bilhões em unidades do ativo, se igualando ao governo dos Estados Unidos. A ausência do país na lista pode estar ligada a uma dificuldade da empresa em identificar as carteiras usadas pelo governo para armazenar essas moedas.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:BitcoinCriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Adoção de apps de criptomoedas cresce 196% em 2024 e Brasil lidera em uso, aponta estudo

Stablecoins representam o maior volume de lavagem de dinheiro com criptoativos, aponta pesquisa

NFTs de Donald Trump disparam após ex-presidente sobreviver a ataque nos EUA

CEO da BlackRock reconhece erro sobre bitcoin e vê ativo como "ouro digital"

Mais na Exame