'Estamos na pior fase do mercado de baixa das criptomoedas', afirmam especialistas

Com o mercado de criptomoedas em queda, analistas da Glassnode identificam fatores que podem ser determinantes para ciclo de baixa
Bitcoin caiu mais de 25% esta semana (Dan Kitwood/Getty Images)
Bitcoin caiu mais de 25% esta semana (Dan Kitwood/Getty Images)
M
Mariana Maria SilvaPublicado em 14/06/2022 às 10:05.

O mercado de criptomoedas, que já enfrentava um mau momento desde o início de 2022, parece ter atingido o seu ápice da negatividade neste início de semana. Após ter despencado mais de 15% na última segunda-feira, 13, o bitcoin segue em queda de mais 9% nas últimas 24 horas, de acordo com dados do CoinGecko.

Em um relatório, especialistas da Glassnode afirmam que esta é uma das piores fases do mercado de baixa das criptomoedas, que paira sobre os investidores desde o início de 2022 e já passou por aumentos na taxa de juros dos EUA e o estouro de uma guerra.

Utilizando métricas de avaliação, a Glassnode revela que ao fechar sua 10ª vela vermelha em 11 semanas, o bitcoin permanece correlacionado com os mercados tradicionais, e seus preços caem de acordo.

Uma das métricas mais significativas e fundamentais do blockchain, segundo os analistas, é o Preço Realizado. A métrica representa o preço médio de cada moeda em oferta e cotado em aproximadamente US$ 22 mil, o bitcoin se aproxima cada vez mais do Preço Realizado.

“Março de 2020 e o final do mercado de baixa de 2018 foram os últimos casos em que o mercado estava no total mantendo uma perda não realizada”, diz o relatório.

O bitcoin também apresenta valores negativos de MVRV Z-Score, uma ferramenta que pode ajudar a identificar condições sobre e subvalorizadas da criptomoeda. “Ciclos de baixa anteriores mostraram que valores negativos de MVRV-Z são frequentemente vistos antes de um mercado de baixa terminar e podem persistir nesse estado por algum tempo”, afirmaram os analistas da Glassnode.

(Mynt/Divulgação)

Afirmando ter visto uma variedade de fases comportamentais, a empresa elaborou um resumo sobre as mudanças de comportamento para avaliar como o sentimento do investidor mudou nos últimos ciclos do mercado de criptomoedas. A ferramenta utilizada foi a Accumulation Trend Score, que avalia a acumulação e distribuição da criptomoeda:
• Dez de 2020 a janeiro de 2021 - Compra de mercado em alta, pois os investidores entraram no mercado e criaram o impulso de alta para a máxima histórica de US$ 64 mil.
• Janeiro de 2021 a outubro de 2021 - Suavização e distribuição geral, em parte resultado do declínio da demanda no mercado à vista após o prêmio do GBTC se transformar em desconto
• De outubro de 2021 a janeiro de 2022 - Demanda de compra pós máxima histórica que foi redistribuída posteriormente
• Janeiro de 2022 a maio de 2022 - Acumulação e distribuição intermitentes, culminando na liquidação motivada pelo caso LUNA-UST.

Ainda sobre o comportamento dos investidores, o relatório da Glassnode comenta sobre as diferenças entre investidores de longo prazo e de curto prazo. “Detentores de Longo Prazo e Detentores de Curto Prazo são dicotômicos por natureza e, portanto, valorizam coisas diferentes. Os Detentores de Curto Prazo são estatisticamente mais sensíveis à volatilidade dos preços, pois sua base de custo é muito mais próxima do preço à vista atual”, afirma.

“Os investidores de longo prazo estão gastando moedas com uma base de custo mais alta do que os de curto prazo. Casos anteriores disso coincidiram com finais de mercado de baixa profunda, com duração entre 52 dias (2020) e 514 dias (2014-15) e acompanhados por rebaixamentos adicionais no preço de -40% a -65%”, diz o relatório.

Apesar de ter se distanciado do patamar de US$ 30 mil, esta continua sendo uma faixa de preço importante para a maior criptomoeda do mundo. Os analistas da Glassnode identificaram que tanto no último mercado de baixa em 2021, quanto no atual, o sentimento de compra do investidor parece ser mais forte em US$ 30 mil do que qualquer outro nível de preço.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok