Empresa que emite créditos de carbono anuncia DAO de governança

A Moss, responsável pelo MCO2 anunciou o Moss Governance Token, que permitirá que detentores ajudem a decidir sobre o futuro da companhia
Os detentores do Moss Governance Token poderão decidir e participar de iniciativas como a nova cunhagem de tokens (JarnoVerdonk/Mark Fox/Getty Images)
Os detentores do Moss Governance Token poderão decidir e participar de iniciativas como a nova cunhagem de tokens (JarnoVerdonk/Mark Fox/Getty Images)
C
Cointelegraph BrasilPublicado em 31/03/2022 às 10:30.

A Moss, empresa brasileira responsável pela emissão do MCO2, caminha para se tornar uma DAO, no blockchain Ethereum, com o lançamento de um token de governança da companhia, o Moss Governance Token, que permite que os detentores comentem, participem de discussões e votem em mudanças no token MCO2 e em novos protocolos.

“Esse movimento é natural, inclusive por conta da própria tecnologia que usamos em nossas operações. Nosso objetivo é construir uma comunidade que contribua com discussões e votações que provoquem melhorias no MCO2 Token e também nos nossos protocolos”, destaca Renan Kruger, CTO da Moss.

Segundo anunciou a MOSS, os detentores do Moss Governance Token poderão decidir e participar de iniciativas como: nova cunhagem de tokens; inclusão de projetos que podem ser adicionados como fornecedores de crédito de carbono (após a realização das diligências e auditorias por parte da Moss); descentralização de processos (cunhagem, auditoria, melhorias, atualizações de protocolo); novas parcerias, e realização de follow on para compra de créditos de carbono e tokenização (moedas de lote comunitário).

(Mynt/Divulgação)

A quantidade total cunhada será a quantidade total de tokens MCO2 (3.041 milhões) criados a partir de 1º de fevereiro de 2022.

Uma fração disso (30%) será dividida entre investidores/sócios e colaboradores.

Do restante, 25% contemplarão liquidity mining (polygon,  Ethereum, Celo); outros 5% irão para comunidade do Discord, Telegram e Twitter (1.000 usuários); 10% para holders de MCO2 (sendo 0.1 por tokens em carteira existentes); 20% vão para treasury e os 10% restantes vão para Klima Treasury (5%) e Klima/MCO2 liquidity mining (5%). 

Ainda segundo a empresa, o Moss Governance Token deve permitir, em breve, que seus detentores invistam em compras de créditos de carbono por atacado.

“Onde os projetos que passaram por nossa due diligence podem oferecer seu fornecimento e os detentores de tokens podem comprar a preços de atacado em um lote mínimo (Community Batch Mints)”, detalha Kruger. “A ideia é que a comunidade se beneficie do acesso e das condições preferenciais de Moss”, finaliza.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok