Future of Money

Empresa de criador do Twitter revela que vai comprar bitcoin em todos os meses de 2024

A Block foi fundada por Jack Dorsey após a saída do comando da rede social e usa tecnologia blockchain com foco na área de pagamentos

Jack Dorsey criou a empresa Block após deixar o comando do Twitter (Bloomberg/Getty Images)

Jack Dorsey criou a empresa Block após deixar o comando do Twitter (Bloomberg/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 3 de maio de 2024 às 16h25.

Última atualização em 3 de maio de 2024 às 16h42.

A Block, empresa fundada pelo criador e ex-CEO do Twitter Jack Dorsey, anunciou nesta semana que vai realizar compras mensais de bitcoin até o fim de 2024. O programa teve início em abril e envolve o uso do lucro da companhia envolvendo a criptomoeda.

O anúncio foi compartilhado pela empresa na divulgação de seus resultados referentes ao primeiro trimestre de 2024. O programa trabalha com a "dollar-cost averaging", uma estratégia de investimento que envolve a aplicação de capital periodicamente em um determinado ativo, independentemente do seu preço.

Em abril, a Block usou 10% de seu lucro bruto mensal ligado ao bitcoin para comprar mais unidades da criptomoeda. A ideia é repetir essa operação em todos os meses subsequentes de 2024, ampliando as reservas da companhia no ativo.

Dados divulgados pela empresa de Jack Dorsey apontam que ela registrou um lucro de US$ 80 milhões ligado ao bitcoin ao longo do primeiro trimestre deste ano. O site CoinDesk projetou que, se esse valor se mantivesse nos trimestres subsequentes, a companhia investiria US$ 24 milhões na criptomoeda.

O anúncio de novos investimentos ocorreu mesmo com uma reserva já significativa por parte da companhia. Dados divulgados pela própria Block apontam que, no momento, ela possui cerca de US$ 4,7 bilhões em unidades da criptomoeda, com compras realizadas em outubro de 2020 e no início de 2021.

A empresa destacou que buscará fazer as aquisições de bitcoin sem causar "grandes movimentos" no preço do ativo, e que também divulgará mais informações sobre a custódia e inclusão da criptomoeda nas suas reservas.

Além da Block, outras empresas também têm comprado unidades do ativo como reserva de valor. O principal exemplo é a MicroStrategy, primeira companhia a realizar esse tipo de compra e que, atualmente, é a maior detentora institucional do ativo, com novas aquisições periodicamente.

Em seu balanço trimestral, a companhia revelou que adquiriu mais 25.250 unidades de bitcoin ao longo do primeiro trimestre de 2024, um total equivalente a mais de R$ 7,8 bilhões, considerando a cotação atual do ativo. Ao todo, a MicroStrategy possui agora 214.278 unidades de bitcoin, ou cerca de US$ 7,53 bilhões.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:TwitterBitcoinCriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Drex: quase metade dos brasileiros não está convencida de adotar o real digital, revela pesquisa

Segurança, nuvem e IA generativa de mãos dadas no mercado financeiro

Ciclo de alta das criptomoedas chega à segunda fase: o que esperar?

Bancos gastam 25 vezes mais que fintechs com segurança digital, mas perdem 5 vezes mais em fraudes

Mais na Exame