Em relatório, Citi afirma que metaverso poderá valer até US$ 13 trilhões

O gigante bancário está otimista quanto às possibilidades de crescimento do metaverso, tecnologia que já recebe o apoio de grandes empresas como o Facebook
Próximos anos podem ser de grande expansão para o metaverso, segundo o Citi (citi/Divulgação)
Próximos anos podem ser de grande expansão para o metaverso, segundo o Citi (citi/Divulgação)
M
Mariana Maria Silva

Publicado em 01/04/2022 às 18:05.

Última atualização em 01/04/2022 às 18:57.

Especialistas do banco Citi revelaram que a economia do metaverso pode chegar a US$ 13 trilhões até 2030. O otimismo do banco nos universos virtuais acompanha o movimento que grandes empresas realizam desde o último ano.

Segundo um relatório divulgado na última quinta-feira, 31, a economia do metaverso pode se expandir significativamente, e uma das principais razões seria a adoção em massa da tecnologia. Para o banco, cerca de 5 bilhões de pessoas podem habitar mundos virtuais no futuro. Atualmente, a população mundial é de 8 bilhões de pessoas.

Outra razão que poderia impulsionar o crescimento da economia do metaverso, segundo o Citi, é a possibilidade da tecnologia integrar os mais diversos dispositivos, mas continuar independente.

(Mynt/Divulgação)

“Um metaverso independente de dispositivos, acessível por computadores, consoles de jogos e smartphones, pode resultar em um ecossistema muito grande. Com base em nossa definição, estimamos que o mercado total endereçável para a economia do metaverso pode crescer entre US$ 8 trilhões e US$ 13 trilhões até 2030”, escreveram os especialistas do Citi no relatório, intitulado “Metaverso e o dinheiro”.

Os jogos serão o principal caso de uso, mas não o único, segundo o banco. Nos próximos anos, empresas podem se beneficiar do metaverso para colaboração interna, contato com clientes, vendas, marketing, propaganda, eventos, conferências, engenharia, design e treinamentos, de acordo com o relatório, que ainda listou quais seriam os casos de uso do futuro que poderiam ter o maior impacto no cotidiano da população:

• Produção inteligente
• Saúde
• Educação
• Economia de desenvolvedores e criadores de conteúdo
• Anúncios virtuais
• Comunidades virtuais
• Comércio social
• Eventos/Shows/Turismo virtual
• Cidades e serviços públicos virtuais

(Future of Money/Laatus/Divulgação)

“Acreditamos que o metaverso é a próxima geração da internet – combinando o mundo físico e digital de maneira persistente e imersiva – e não puramente um mundo de realidade virtual”, afirma o relatório.

No entanto, o banco mencionou a existência de algumas condições para que este crescimento seja possível. Para o Citi, melhorias na eficiência computacional e infraestrutura seriam essenciais para comportar tantas pessoas e movimentações financeiras.

“Será necessário o investimento em áreas como computação, armazenamento, infraestrutura de rede, hardware de consumo e plataformas de desenvolvimento de jogos”, afirmou o relatório, que revelou a necessidade de uma "melhoria na eficiência computacional de mais de mil vezes que os níveis atuais".

Além dos especialistas do banco, o relatório consultou grandes nomes do mercado de criptoativos, como Yat Siu, cofundador e CEO da Animoca Brands, Sandeep Nailwal, cofundador da Polygon, e Rebecca Rettig, membro do conselho da Aave.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok