Future of Money

Dona do Facebook acumula quase R$ 50 bilhões de prejuízo com metaverso em 2022

Meta pretende continuar investindo no desenvolvimento de tecnologias ligadas à área, mas espera novos resultados negativos no futuro

CEO da Meta, Mark Zuckerberg defendeu os investimentos da empresa no metaverso em uma teleconferência com acionistas (Facebook Reality Labs/Captura de tela/Reprodução)

CEO da Meta, Mark Zuckerberg defendeu os investimentos da empresa no metaverso em uma teleconferência com acionistas (Facebook Reality Labs/Captura de tela/Reprodução)

Cointelegraph Brasil

Cointelegraph Brasil

Publicado em 27 de outubro de 2022 às 11h35.

Uma das cinco maiores empresas de tecnologia dos EUA, a Meta ainda está queimando dinheiro com seu braço de pesquisa e desenvolvimento do metaverso. O intitulado Reality Labs registrou prejuízo de US$ 3,67 bilhões (R$ 19,41 bilhões, na cotação atual) no terceiro trimestre de 2022. A companhia espera que essas perdas se aprofundem ainda mais no ano que vem.

O balanço comercial da Meta para o terceiro trimestre de 2022 foi divulgado em 26 de outubro e mostrou que o Reality Labs acumulou as maiores perdas trimestrais desde o quarto trimestre de 2020. A empresa faturou US$ 285 milhões em receitas no terceiro trimestre, o menor valor já registrado nesse período de tempo.

O Reality Labs contabilizou seu terceiro prejuízo trimestral consecutivo, totalizando US$ 9,44 bilhões (R$ 49,94 bilhões) em 2022. A Meta está a caminho de superar suas perdas de 2021 com sua aposta no metaverso, que registrou pouco mais de US$ 10 bilhões em prejuízos no ano passado.

(Mynt)

Essas perdas anuais devem se aprofundar, segundo o diretor financeiro da Meta, Dave Whener. Ele espera que o "prejuízo operacional do Reality Labs em 2023 crescerá significativamente ano a ano. Além de 2023, esperamos acelerar os investimentos do Reality Labs para atingir a meta de aumentar a receita operacional geral da empresa no longo prazo.”

Na teleconferência de apresentação dos resultados da Meta, o CEO Mark Zuckerberg continuou imperturbável com o grande investimento da empresa, no que ele chamou de “próxima plataforma de computação”.

Ele disse que esta é a principal prioridade da empresa e ressaltou aos investidores que construir um metaverso e o hardware necessário para isso é “um empreendimento enorme”.

“Muitas vezes, será necessário criar algumas versões de cada produto antes deles se tornarem populares”, acrescentou. “Acho que o trabalho aqui será de importância histórica e criará a base para uma maneira totalmente nova de interagir uns com os outros e incorporar a tecnologia em nossas vidas, bem como a base para o sucesso de longo prazo dos nossos negócios”.

No geral, a empresa superou ligeiramente as expectativas de receita dos analistas de Wall Street, gerando US$ 27,71 bilhões no trimestre, mas com um lucro por ação de US$ 1,64, abaixo da estimativa de US$ 1,88 por ação.

O preço das ações da Meta caiu mais de 19,5% após a divulgação dos resultados, de acordo com o Yahoo Finance. As ações da empresa acumulam perdas de 61,5% desde o início de 2022.

A grande aposta da Meta no metaverso tem gerado reações contrárias de alguns investidores e até pedidos de que a empresa reduza seus investimentos no setor.

Brad Gerstner, fundador da empresa de investimentos em tecnologia Altimeter Capital e acionista da Meta, escreveu uma carta aberta a Zuckerberg e ao conselho de administração.

Gerstner disse que o “investimento em um futuro desconhecido é superdimensionado e aterrorizante” e que pode levar uma década para que o metaverso gere lucros. Ele sugeriu que a empresa deve se concentrar em buscar avanços na área de inteligência artificial, pois ela tem potencial para melhorar os resultados da companhia.

Muitas pessoas têm se mostrado pouco otimistas sobre o futuro do metaverso nas mãos de Zuckerberg. A ex-funcionária que se voltou contra a empresa denunciando supostos abusos, Frances Haugen, disse em abril que o mundo virtual da Meta causará “todos os danos provocados pelo Facebook” se a empresa não se comprometer em ser mais transparente.

Para você que adora ler notícias de crypto, a Mynt é o aplicativo ideal para você. Invista e aprenda sobre crypto ao mesmo tempo com conteúdos descomplicados para todos os públicos. Clique aqui para abrir sua conta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok  

Acompanhe tudo sobre:Facebookmark-zuckerbergMetaverso

Mais de Future of Money

Bitcoin ou ether: o que comprar após forte queda das criptomoedas?

Empresa brasileira usa tokenização para permitir investimentos em hits do piseiro

União Europeia vai apoiar projeto que usa blockchain para criar soluções de sustentabilidade

ETFs de Ethereum podem atrair US$ 10 bilhões e levar cripto à máxima histórica, diz analista

Mais na Exame