Future of Money

Dogecoin, Shiba Inu e outras memecoins: vale a pena investir?

As criptomoedas inspiradas em memes fazem bastante sucesso na internet. Mas vale a pena investir nelas?

Dogecoin (Yuriko Nakao/Getty Images)

Dogecoin (Yuriko Nakao/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 9 de maio de 2023 às 11h21.

Última atualização em 9 de maio de 2023 às 11h33.

As criptomoedas meme são ativos digitais criados com inspiração em memes da internet - e elas estão fazendo sucesso no mercado cripto atualmente. A Dogecoin, criada como uma brincadeira, se tornou símbolo desse setor e uma das criptomoedas uma das mais populares do mundo. Depois dela, surgiram várias outras, como a Shiba Inu, e, mais recentemente, várias outras como Pepe, Floki Inu e muitas outras.

No entanto, desde seu surgimento, com a criação da Dogecoin em 2013, este tipo de criptomoeda levanta dúvidas entre investidores. Será que as criptomoedas meme podem ser uma boa opção de investimento?

Se você é tem curiosidade sobre esse tipo de ativo e quer saber mais sobre as criptomoedas meme, assista ao vídeo abaixo e descubra os prós e contras de investir em memecoins e o que deve ser levado em consideração ao tomar sua decisão sobre alocar ou não parte do seu portfólio nelas.

yt thumbnail

Inscreva-se no nosso canal do YouTube e ative as notificações para não perder nenhuma novidade! Ou se preferir, nos acompanhe nas redes sociais: Instagram | Twitter | Telegram | Tik Tok  

O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

Acompanhe tudo sobre:CriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Bitcoin ou ether: o que comprar após forte queda das criptomoedas?

Empresa brasileira usa tokenização para permitir investimentos em hits do piseiro

União Europeia vai apoiar projeto que usa blockchain para criar soluções de sustentabilidade

ETFs de Ethereum podem atrair US$ 10 bilhões e levar cripto à máxima histórica, diz analista

Mais na Exame