Queda do bitcoin coloca investimento bilionário de empresa em risco

MicroStrategy já comprou mais de 19 mil bitcoins e viu preço de suas ações se multiplicar, mas agora sofre com a queda na cotação da criptomoeda

Michael Saylor chocou o mercado ao investir bilhões de dólares da MicroStrategy, empresa de softwares da qual é o CEO, em bitcoin. A aposta fez o preço das ações da empresa se multiplicar enquanto o bitcoin subia, mas agora a situação se inverteu: com a queda no preço da criptomoeda, as ações despencam e o investimento, outrora lucrativo, está perto de virar prejuízo.

Com a compra mais recente, de quase 500 milhões de dólares, anunciada no início da semana, a MicroStrategy chegou a 105.085 bitcoins, adquiridos, segundo informações da própria companhia, a um preço médio de 26.080 dólares. Com o bitcoin negociado abaixo de 33 mil dólares - chegou a 29.500 na mínima desta terça-feira, 22 - o investimento vive seu momento de maior risco.

Até cerca de dois meses atrás, a aposta de Michael Saylor era muitíssimo bem-sucedida, com lucro "virtual" bilionário. Desde meados de abril, depois que o ativo digital atingiu o recorde de preço em 64 mil dólares, notícias negativas fizeram a criptomoeda despencar - de um suposto clima desfavorável à regulação de criptomoedas nos EUA, passando por Elon Musk e Tesla, até as recentes investidas da China contra o setor.

Na última compra, a MicroStrategy adquiriu 13.005 bitcoins a 489 milhões de dólares - ou 37.617 dólares cada. Com a queda no preço da criptomoeda desde então, para cerca de 33 mil dólares, a operação registra um prejuízo de mais de 65 milhões de dólares. O valor, claro, é um prejuízo "virtual", que só se concretizaria se a empresa decidisse vender seus bitcoins por menos do que pagou.

Mesmo assim, a preocupação dos investidores se reflete no mercado de ações. Na última sexta-feira, o pregão foi encerrado com ações da MicroStrategy cotadas a quase 650 dólares. Nesta terça, os papeis da empresa chegaram a 518 dólares, uma queda de mais de 20% desde o fechamento da semana anterior e de mais de 60% desde a máxima de 1.315 dólares registrada em fevereiro.

A preocupação é que além de usar fluxo de caixa para comprar bitcoin, a MicroStrategy emitiu títulos de dívida e ações para comprar ainda mais bitcoin, o que pode gerar um enorme problema caso a aposta não dê certo. Por outro lado, antes de começar a investir em bitcoin, em agosto de 2020, as ações da MicroStrategy eram negociadas a menos de 200 dólares, o que dá uma margem de segurança considerável para os investidores.

Michael Saylor, por sua vez, não comentou as movimentações de preço do bitcoin nos últimos dias. Nas redes sociais, além de anunciar a compra na segunda-feira, ele publicou mensagens motivacionais como "A verdade é filha do tempo" e o provérbio "começar é fácil, difícil é continuar". Além disso, publicou a notícia da listagem da mineradora de bitcoin Bitfarms nas Nasdaq dizendo: "Nos últimos 12 meses, o bitcoin chegou à Wall Street. Isso é a notícia. O resto é barulho".

Apesar do risco, Michael Saylor já afirmou diversas vezes que o foco dos investimentos da MicroStrategy é o longo prazo, e que os fundamentos do bitcoin permanecem intactos apesar do sentimento pessimista do mercado atualmente. Nesta terça, o ativo digital registrou seu menor preço desde janeiro, abaixo de 30 mil dólares, mas recuperou parte das perdas e é negociado no momento a cerca de 33 mil dólares.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também