Corretora de criptoativos pode ter o maior IPO de tecnologia desde o Facebook

Avaliada em cerca de US$ 90 bilhões em venda privada de ações realizada na última semana, Coinbase pode ter um dos maiores IPOs da história

A oferta inicial da ações da Coinbase, primeira exchange de criptoativos a abrir capital nos Estados Unidos, pode ser tornar uma das maiores da história depois que a empresa foi avaliada recentemente a um valor próximo de 100 bilhões de dólares — se o valor se confirmar, será o maior IPO de uma empresa de tecnologia desde o Facebook, em 2012.

Segundo informações da Bloomberg, a maioria das empresas que se tornaram públicas em 2020 não apresentavam lucro. Como a Coinbase divulgou números bastante positivos, como 1,1 bilhão de dólares em receitas em 2020, mais que o dobro do valor do ano anterior, e lucro líquido de 332 milhões, a expectativa é de que a empresa seja bem vista pelo mercado.

Naquela que pode ter sido a última chance para os investidores negociarem suas ações antes da abertura de capital, os papeis da Coinbase foram avaliados em torno de 350 dólares, preço utilizado como base para um leilão no mercado privado da Nasdaq, realizado na última semana, também divulgado pela Bloomberg.

Na venda privada, algumas ações chegaram a ser negociadas a cerca de 375 dólares, o que levaria a empresa a valer quase 100 bilhões de dólares — o Facebook, quando realizou seu IPO, valia 104 bilhões de dólares.

Apesar do mercado privado apresentar volume de negociação reduzido e não ser necessariamente um reflexo preciso do que acontecerá no mercado aberto, o leilão é apontado por especialistas como uma boa referência.

A listagem da Coinbase na Nasdaq será feita por uma listagem direta, e não um IPO tradicional. Será a primeira negociação do tipo na Nasdaq, já que as operações do tiop, feitas por empresas como Spotify e Slack, por exemplo, acontecerem na New York Stock Exchange (NYSE).

A expectativa em torno da abertura de capital da Coinbase por parte do mercado de criptoativos é grande, já que uma aposta na companhia é também uma aposta no bitcoin e nos criptoativos de forma geral, afinal, os números da empresa estão diretamente relacionados com o crescimento deste mercado. Se for bem recebida pelo mercado tradicional, a Coinbase pode dar indícios de uma maior aceitação também do mercado cripto como um todo.

A empresa, maior exchange de criptoativos dos EUA, tem 43 milhões de usuários e viu, ao longo de 2020, a participação de investidores institucionais em suas receitas subir de 20% para 66%.

No curso "Decifrando as Criptomoedas" da EXAME Academy, Nicholas Sacchi, head de criptoativos da Exame, mergulha no universo de criptoativos, com o objetivo de desmistificar e trazer clareza sobre o funcionamento. Confira.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.