Future of Money

De US$ 5 mil a US$ 250 mil: especialistas preveem preço do bitcoin para 2023

Criptomoeda desvalorizou mais de 60% em 2022 e ainda enfrenta uma quadro macroeconômico global desfavorável

Principal criptomoeda do mercado caiu mais de 60% em 2022 (Getty/Getty Images)

Principal criptomoeda do mercado caiu mais de 60% em 2022 (Getty/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 3 de janeiro de 2023 às 09h00.

Os analistas do mercado de criptomoedas começaram 2023 mantendo divergências sobre o potencial de crescimento, ou desvalorização, do bitcoin neste novo ano. Para alguns, o ativo vai continuar caindo e chegar a níveis não vistos há anos, enquanto outros esperam uma nova onda de valorização, atingindo um recorde histórico.

A principal criptomoeda do mercado caiu mais de 60% em 2022, prejudicada por um quadro macroeconômico global de alta de juros e fuga de investimentos em ativos considerados arriscados. Além disso, o setor passou por problemas internos que também não ajudaram.

Já em 2023, o destino do bitcoin depende não apenas do grau de resiliência do setor neste ano, mas também de quando as principais economias do mundo reverterão suas políticas monetárias e passarão a sinalizar cortes de juros, o que geraria novos fluxos de investimento na criptomoeda.

Otimistas

O entusista de criptomoedas Tim Draper compartilhou uma projeção otimista para o bitcoin. Ele acredita que, até o fim de 2023, a criptomoeda terá uma valorização intensa, chegando à casa dos US$ 250 mil pela primeira vez na história.

  • Sabia que você pode investir em Bitcoin, ether, Polkadot e muitas outras moedas digitais direto no app da Mynt? Comece com R$ 100 e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Clique aqui para abrir sua conta gratuitamente.

À CNBC, ele disse que sua projeção se baseia no fato de que "as mulheres controlam 80% dos gastos no varejo, e apenas 1 em cada 7 carteiras de bitcoin são atualmente detidas por mulheres, essa barragem está prestes a quebrar".

Se isso ocorresse, a adoção feminina geraria, na visão de Draper, uma alta de 1.400% do bitcoin. Para ele, há sinais de que o mercado cripto já atingiu a mínima do atual mercado de baixa, e tende a começar a se recuperar. Haverá, além disso, efeitos nos preços com a proximidade do próximo halving da criptomoeda em 2024, quando o total gerado a cada mineração é cortado pela metade.

A professora da Universidade de Sussex Carol Alexander também compartilhou uma projeção mais otimista com a CNBC sobre o futuro da criptomoeda em 2023. Ela espera que o ativo tenha alguns ganhos, e termine o quarto trimestre do ano em US$ 50 mil.

Para isso ocorrer, ela defende que seria preciso que "mais dominós" caíssem no caso FTX, o que geraria um "mercado de alta gerenciado, não uma bolha, então os preços não disparariam".

A lógica da professora é que, caso os volumes de negociação caiam ainda mais, os grandes acumuladores de bitcoin precisarão agir para garantir uma valorização de ativos no mercado, incluindo da criptomoeda.

Pessimistas

Já a previsão mais pessimista sobre o futuro do bitcoin neste ano foi feita pelo banco Standard Chartered, que espera que o bitcoin termine 2023 caindo para até US$ 5 mil, representando uma queda de mais de 70% em relação à cotação atual em um "cenário de pesadelo".

O motivo seria o ciclo de alta de juros nos Estados Unidos, que ainda não acabou e tende a prejudicar especialmente os ativos da área de tecnologia: "apesar das vendas de bitcoin estarem desacelerando, o estrago já foi feito".

Nesse quadro, que o banco considera ser pouco provável, "mais e mais empresas e bolsas de criptomoedas se encontrariam com liquidez insuficiente, levando a mais falências e a um colapso na confiança dos investidores em ativos digitais".

Por outro lado, o investidor Mark Mobius acredita que o bitcoin também pode cair, mas menos, fechando 2023 na casa dos US$ 10 mil. A projeção foi a mesma feita por ele em 2022, que não se concretizou: a criptomoeda terminou o ano em torno de US$ 16,7 mil.

Ele também atribui a previsão ao cenário de juros norte-americanos: "com taxas de juros mais altas, a decisão de manter ou comprar bitcoin e outras criptomoedas torna-se menos atraente, pois apenas segurar a moeda não pagará mais que os juros". Por isso, o ativo ainda pode perder alguns investidores, com novas quedas.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok  

Acompanhe tudo sobre:BitcoinCriptoativosCriptomoedas

Mais de Future of Money

Kamala Harris pode ser 'muito mais receptiva' às criptomoedas que Biden, diz Mark Cuban

Presidente do Banco Central quer "superapp" de finanças integrado com inteligência artificial

Ferrari anuncia que vai aceitar pagamentos em criptomoedas na Europa

Worldcoin, projeto de Sam Altman, nega acusações de insider trading de criptomoeda própria

Mais na Exame