'Criador do bitcoin pode ser uma mulher', diz vice-presidente do Facebook

Executivas de grandes empresas discutem no Fórum Econômico Mundial sobre a participação feminina no universo das criptomoedas, e fazem suposições sobre criador anônimo do bitcoin
Satoshi Nakamoto é um pseudônimo para o criador do bitcoin (Janos Kummer/Getty Images)
Satoshi Nakamoto é um pseudônimo para o criador do bitcoin (Janos Kummer/Getty Images)
Por Cointelegraph BrasilPublicado em 26/05/2022 09:10 | Última atualização em 26/05/2022 09:10Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O quarto dia do Fórum Econômico Mundial teve uma grande discussão sobre o papel das mulheres na Web3 e como o ecossistema descentralizado pode ser um lugar para inclusão.

"A porcentagem de mulheres investindo em criptomoedas já é metade da de homens. Nos acompanhe na WEF 2022 para descobrir as soluções que podemos implementar para colocar as mulheres na linha de frente desta revolução digital", publicou o The Female Quotient no Twitter.

A editora-chefe do Cointelegraph, Kristina Lucrezia Cornèr, moderou um painel intitulado “Por que a Web3 precisa de mulheres na vanguarda”, acompanhada pela vice-presidente da Meta (antigo Facebook) Nicola Mendelsohn, a CEO do Global Blockchain Business Council Sandra Ro, Sarah Endline da Harvard Business School e o head de relações governamentais do Splunk, Bill Wright.

Ao falar sobre modelos femininas no espaço Web3 e cripto, os palestrantes destacaram a contribuição das principais representantes femininas no espaço nascente. Mendelsohn brincou que o criador do bitcoin, Satoshi Nakamoto, que permanece anônimo, poderia muito bem ser uma mulher. Ela explicou:

“Vou te dizer: Satoshi Nakamoto. Todos nós assumimos que é um homem, certo? Esse é o nosso preconceito? É apenas um nome – pode muito bem ser uma mulher.”

Cornèr acrescentou que acredita que o criador do bitcoin é um grupo de pessoas composto por homens e mulheres, em vez de um indivíduo.

(Mynt/Divulgação)

O painel também discutiu os desafios enfrentados pelas mulheres hoje e coisas que podem ser melhoradas. Ro destacou a crescente contribuição das mulheres no espaço de tokens não fungíveis e também levantou preocupações sobre a falta de mulheres no espaço de trading de criptomoedas. Ela explicou:

“Embora os NFTs tenham obtido uma grande proporção de mulheres participantes, o trading de criptomoedas certamente me preocupa por causa da falta de representação feminina.”

Ela também enfatizou a necessidade de criar um “ambiente para acomodar representantes das mulheres no setor de trading de criptomoedas”.

Wright, o único palestrante do sexo masculino, acredita que a Web3 e o espaço blockchain são inclusivos por natureza. Ele disse:

“Acho que a Web3, por natureza, visa ser um ambiente inclusivo, e mais pessoas envolvidas resultariam em melhores resultados. Pela pesquisa, foi comprovado que diversos grupos focados em um problema chegarão a uma solução melhor. ”

Os participantes do painel concordaram que o mundo descentralizado viu um aumento significativo na representação feminina ao longo dos anos e esperavam ver a proporção crescer no futuro.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok