Colômbia pretende evitar evasão fiscal com moeda digital nacional, diz relatório

Uma moeda digital nacional ajudaria a conter a evasão fiscal na Colômbia, que é estimada em até 8% do PIB, de acordo com o presidente da agência tributária e alfandegária da Colômbia
Colômbia pesquisa maneiras inovadoras de evitar evasão fiscal (Andres Virviescas/Getty Images)
Colômbia pesquisa maneiras inovadoras de evitar evasão fiscal (Andres Virviescas/Getty Images)
C
Cointelegraph BrasilPublicado em 18/08/2022 às 10:18.

O crescimento econômico da AmColombia superou as expectativas no segundo trimestre, um funcionário da agência tributária e alfandegária do país sugeriu alguns planos nacionais de moeda digital.

Luis Carlos Reyes, chefe da Autoridade Nacional Tributária e Aduaneira da Colômbia, afirmou que o governo do recém-empossado presidente colombiano Gustavo Petro buscará criar uma moeda digital para impedir atividades financeiras ilícitas, como a evasão fiscal.

(Mynt/Divulgação)

Os planos de moeda digital da Colômbia fazem parte das novas medidas de política monetária do país com o objetivo de aumentar a transparência das transações financeiras, disse o funcionário em entrevista à revista local Semana. Segundo o relatório, a evasão fiscal na Colômbia é estimada em 6% ou 8% do produto interno bruto do país até agora.

Reyes também apontou que uma possível moeda digital seria um grande benefício para a experiência do usuário, afirmando: “A criação de uma moeda digital facilitaria essas transações para o consumidor”.

O funcionário não especificou que tipo de moeda digital exatamente o governo colombiano pretende lançar, uma moeda digital do banco central (CBDC) ou uma moeda nacional lastreada em ativos semelhante ao projeto de moeda digital Petro da Venezuela.

Hernando Vargas, vice-governador técnico do banco central da Colômbia, considerou anteriormente as implicações de uma CBDC de varejo na Colômbia no início de 2022. O funcionário observou que o dinheiro é o instrumento preferido de pagamentos de baixo custo na Colômbia, apontando para possíveis ameaças de criptomoedas e stablecoins em determinadas circunstâncias. Ele afirmou:

“Uma linha de defesa contra o uso generalizado de criptomoedas e stablecoins é mais fraca na Colômbia do que em outras jurisdições e a discussão sobre a adoção de uma CBDC de varejo se torna particularmente interessante.”

A notícia vem logo após o novo presidente colombiano Petro tomar posse em 7 de agosto. Conforme relatado anteriormente, Petro é conhecido por expressar apoio a criptomoedas como Bitcoin (BTC). Em 2017, Petro sugeriu que o BTC pudesse remover o poder do governo e devolvê-lo ao povo. “A moeda virtual é pura informação e, portanto, energia”, disse Petro na época.

De acordo com os últimos relatórios, a economia da Colômbia superou as expectativas no segundo trimestre em um impulso para o governo de Petro, com o PIB crescendo 12,6% contra o crescimento esperado de 12,1%.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok