Coinbase registra prejuízo de US$ 1,1 bilhão no 2º tri após desaceleração do mercado de criptomoedas

Queda do mercado de criptomoedas gerou impacto negativo para a empresa, que realizou demissões em massa e tem seu maior prejuízo desde sua listagem na Nasdaq em 2021
A Coinbase é a única corretora de criptomoedas listada em bolsa (Michael Nagle/Getty Images)
A Coinbase é a única corretora de criptomoedas listada em bolsa (Michael Nagle/Getty Images)
C
Cointelegraph BrasilPublicado em 10/08/2022 às 10:35.

A gigante das exchanges de criptomoedas Coinbase citou uma desaceleração “veloz e furiosa” dos mercados de criptomoedas como a razão por trás de uma perda líquida impressionante de US$ 1,1 bilhão no segundo trimestre de 2022, que também viu o volume de negócios e a receita de transações despencando.

É o segundo trimestre consecutivo de prejuízo para a empresa de criptomoedas e a maior perda desde sua listagem na Bolsa de Valores Nasdaq em abril de 2021.

(Mynt/Divulgação)

Os resultados, piores que as expectativas dos analistas, foram compartilhados em uma carta aos acionistas do segundo trimestre de 2022 da Coinbase na terça-feira, afirmando:

“A crise atual veio veloz e furiosa, e estamos vendo o comportamento do cliente espelhar o dos mercados em baixa do passado.”

A Coinbase disse que o segundo trimestre foi um "trimestre difícil" com o volume de negociação caindo 30% e a receita de transações caindo 35% na sequência.

“Ambas as métricas foram influenciadas por uma mudança na atividade do cliente e do mercado, impulsionada por fatores macroeconômicos e de crédito cripto”, escreveu.

Apesar da queda na receita de transações, o analista de ações da Morningstar, Michael Miller, disse à Reuters em um reportagem que, embora “a Coinbase não tenha visto uma migração em massa de sua plataforma […], seus usuários estão se tornando mais passivos em seus investimentos em criptomoedas”.

A exchange de criptomoedas registrou US$ 802,6 milhões em receita, uma queda de 45,1% em relação ao trimestre anterior e uma impressionante queda de 153,1% em relação ao trimestre do ano anterior. Seu prejuízo líquido, que totalizou US$ 1,1 bilhão, foi impulsionado principalmente por US$ 446 milhões em despesas não monetárias causadas por preços mais baixos de criptoativos no segundo trimestre.

No entanto, a Coinbase escreveu que, apesar da queda econômica, a empresa está fazendo o possível para se ajustar às condições flutuantes do mercado.

Para cortar despesas e melhorar as margens de lucro, a Coinbase cortou 18% dos funcionários em junho e também adotou uma abordagem de “pausar, manter e priorizar” para o desenvolvimento de produtos:

“No geral, levará algum tempo para perceber totalmente o impacto financeiro de nossas ações, mas reduzimos nossa faixa de despesas anuais para tecnologia e desenvolvimento e despesas gerais e administrativas.”

Entre os produtos priorizados estão o aplicativo de varejo da Coinbase, Coinbase Prime, Staking, Coinbase Cloud e outros aplicativos Web3.

Miller, no entanto, disse que “é improvável que a redução restaure a lucratividade nos níveis atuais de geração de receita”.

Olhando para o futuro, a Coinbase disse que espera que as “condições do mercado de criptomoedas leves” do segundo trimestre continuem no terceiro trimestre de 2022. A empresa disse que espera uma queda adicional no volume total de transações e receita média de transações por usuário, embora tenha dito que pode ver alguns crescimento da receita de assinatura e taxas de serviço.

O preço das ações da Coinbase caiu 10,55% na terça-feira após a divulgação dos resultados do segundo trimestre e custa US$ 87,68 no momento da redação.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok