Future of Money
Acompanhe:

CEO do JPMorgan demonstra desconhecimento sobre bitcoin: "Como vai parar em 21 milhões?"

Apesar de investir em iniciativas com blockchain, o JPMorgan tem CEO que é grande crítico do bitcoin, mesmo sem conhecer detalhes sobre a maior criptomoeda do mundo

 (Getty Images/Reprodução)

(Getty Images/Reprodução)

D
Da Redação

20 de janeiro de 2023, 15h39

O CEO do maior banco de investimentos dos Estados Unidos parece desconhecer características importantes sobre um grande representante de uma nova classe de ativos, a qual é um grande crítico.

Na última quinta-feira, 19, Jamie Dimon voltou a criticar as criptomoedas, chamando o bitcoin de “fraude sensacionalista e o comparando com uma “pedra de estimação”.

Tudo isso ocorreu durante uma entrevista que o CEO do JPMorgan concedeu ao programa Squawk Box, da CNBC.

“Eu acho que tudo isso foi uma perda de tempo e porque vocês desperdiçam qualquer fôlego com isso está totalmente além de mim. Bitcoin em si é uma farsa sensacionalista — uma pedra de estimação”.

  • O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

Visivelmente incomodado, Dimon respondeu de forma irônica às perguntas do entrevistador sobre as criptomoedas, mas cometeu um deslize ao demonstrar desconhecimento sobre conceitos básicos do bitcoin, a maior criptomoeda do mundo.

Quando o entrevistador rebateu as críticas de Dimon dizendo que o bitcoin “tem todas as características de uma reserva de valor, é imutável, é escasso” e mencionando o limite de emissão de 21 milhões de unidades, o CEO deu a entender que não sabia deste fato.

“Sério? Como você sabe que vai parar em 21 milhões?”, disse Dimon.

Desde a sua criação, o código do bitcoin é programado para parar a emissão de novas moedas em 21 milhões de unidades. Além disso, de quatro em quatro anos ocorre um processo chamado de “halving”, que corta a emissão pela metade, garantindo assim a escassez programada da criptomoeda.

Após o entrevistador explicar como o limite do bitcoin é definido no código, que é aberto e qualquer pessoa pode consultar, Dimon fez sinal negativo com a cabeça e interrompeu o entrevistador novamente:

“Bem, talvez chegue a 21 milhões e a foto de Satoshi apareça e ria de todos vocês. E então Satoshi vai vender os bitcoins e comprar dólares”.

Pelo pseudônimo de Satoshi Nakamoto, uma pessoa ou grupo de pessoas criou o bitcoin em 2009 e sumiu pouco depois, deixando para trás uma carteira lotada de unidades da criptomoeda sem movimentação até hoje. A identidade desta pessoa ou grupo nunca foi descoberta.

Apesar de todo o descontentamento com o bitcoin e as criptomoedas, o JPMorgan já se envolve com a tecnologia há algum tempo e possui até mesmo uma unidade dedicada, a Onyx. Além disso, o banco de investimentos americano está envolvido no desenvolvimento de implementações de blockchain em seus serviços e possui um token próprio, a JPM Coin.

Sobre a tecnologia que serve de base para as criptomoedas, no entanto, Dimon demonstrou uma postura mais branda na entrevista, classificando o blockchain como um “sistema de contabilidade de tecnologia” e contando que o JPMorgan também a usa para “movimentar dinheiro”.

Esta semana durante o Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, outros grandes nomes do mercado financeiro também demonstraram posicionamento semelhante ao priorizar o blockchain ao invés das criptomoedas em suas discussões.

O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok