Future of Money

BTG reforça recomendação no bitcoin em novembro, após alta de mais de 100% em 2023

Principal criptomoeda apresentou ganhos significativos ao longo do ano e especialistas da Mynt, plataforma cripto do BTG, estão otimistas com ETF nos EUA

 (Reprodução/Reprodução)

(Reprodução/Reprodução)

Mariana Maria Silva
Mariana Maria Silva

Repórter do Future of Money

Publicado em 6 de novembro de 2023 às 09h39.

No último mês, o bitcoin subiu cerca de 27%. Mas o dado mais surpreendente sobre a principal criptomoeda é o acumulado do ano, em que o bitcoin subiu 109%. Diante de altas expectativas por um ETF de bitcoin à vista nos EUA, analistas da Mynt, plataforma de criptoativos do BTG Pactual, tornaram o bitcoin sua principal recomendação da carteira recomendada de novembro.

“Ao finalizar o mês de outubro, observamos uma notável valorização no mercado de criptoativos, destacando-se como uma das performances mais expressivas do ano. O bitcoin, em particular, registrou uma marca significativa”, comentaram os analistas na carteira recomendada, disponível na íntegra no aplicativo da Mynt.

  • Este conteúdo é parte do "Especial: Real Digital", que tem apoio da Mynt e patrocínio de Aarin Tech-Fin e Febraban. Para saber mais e acompanhar todos os conteúdos exclusivos com quem mais entender de Drex no Brasil, acesse a página do evento na EXAME clicando aqui. 

Em outubro, o bitcoin chegou em seu maior valor de 2023, ultrapassando os US$ 35 mil. No momento, a criptomoeda ainda permeia a faixa de preço dos US$ 34 mil. O valor de mercado da criptomoeda também subiu US$ 190 bilhões e chegou a ultrapassar a Tesla, de Elon Musk.

Dentro deste contexto, optamos por ajustar a Carteira Recomendada, direcionando uma parcela do caixa para o bitcoin e aumentando levemente a exposição ao ether na Sofisticada. Tal decisão é fundamentada na iminente possibilidade de listagem dos ETFs de bitcoin à vista na bolsa dos Estados Unidos, aliada a fatores macroeconômicos que reforçam o potencial de valorização da criptomoeda.

A carteira recomendada da Mynt é divida entre os perfis conservador, moderado e sofisticado, e conta com recomendações em criptomoedas de diversos setores, além do próprio bitcoin, cuja alocação foi aumentada na edição de novembro.

ETF de bitcoin à vista nos EUA

No início do ano, a BlackRock, maior gestora do mundo com US$ 8,5 trilhões sob gestão, solicitou à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC, na sigla em inglês) a autorização para um ETF de bitcoin à vista, ainda inédito no país.

Até o momento a aprovação ainda não veio, mas a expectativa do mercado é que isso ocorra em breve. De acordo com um estudo da NYDIG, um ETF de bitcoin à vista pode atrair cerca de R$ 150 bilhões para o mercado cripto. Já a CryptoQuant acredita em um aumento de US$ 1 trilhão no valor de mercado do setor como um todo.

"A antecipação pela aprovação dos ETFs, somada à crescente adesão por instituições renomadas, tende a favorecer o mercado de criptoativos como um todo, dada sua correlação com o bitcoin. Este renovado interesse, contrastando com a retração dos índices tradicionais, projeta um horizonte otimista para os criptoativos no próximo mês", concluíram os analistas da Mynt.

Não perca mais tempo com investimentos ultrapassados. Experimente a Mynt e descubra o potencial das criptomoedas.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Acompanhe tudo sobre:BitcoinCriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

União Europeia vai apoiar projeto que usa blockchain para criar soluções de sustentabilidade

ETFs de Ethereum podem atrair US$ 10 bilhões e levar cripto à máxima histórica, diz analista

Show com Lauryn Hill e Mano Brown no Allianz Parque lança NFTs comemorativos

Governo da Alemanha conclui vendas de bitcoin e soma R$ 15 bilhões arrecadados

Mais na Exame