Future of Money

Brasil é o 2º país mais vulnerável a ataques de hackers, diz relatório

Empresa de cibersegurança bloqueou 85,6 bilhões de ameaças de hackers no primeiro semestre de 2023 e Brasil está como um dos alvos principais

Hackers (Issaro Prakalung / EyeEm/Getty Images)

Hackers (Issaro Prakalung / EyeEm/Getty Images)

Mariana Maria Silva
Mariana Maria Silva

Repórter do Future of Money

Publicado em 24 de setembro de 2023 às 10h55.

O Brasil é o segundo país mais vulnerável a ataques de hackers, segundo um relatório da Trend Micro, empresa de soluções em cibersegurança. Atrás apenas dos Estados Unidos, o país teve bilhões de ameaças bloqueadas no primeiro semestre de 2023.

A empresa revelou que no período, bloqueou cerca de 85,6 bilhões de ameaças em todo o mundo, um valor que já é 59% do total registrado em 2022. Estados Unidos, Brasil e Índia são os principais alvos, em ordem de incidência.

“Desde 2013 o Brasil tem figurado como principal alvo na América Latina e como um dos países mais visados pelos criminosos digitais em todo o mundo. Para elevar o nível de proteção é fundamental que as organizações e empresas adotem soluções de segurança em multicamadas, para ampliar a visibilidade e a detecção de comportamentos suspeitos, e para terem resposta rápida no caso de invasões”, disse César Cândido, diretor geral da Trend Micro Brasil.

  • O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

O relatório mostra que o principal vetor de ação dos criminosos neste semestre foram os arquivos maliciosos, com um total de 45,9 bilhões de ataques, o correspondente a 53,6% do total de bloqueios realizados pela Trend Micro no período. A indústria foi o alvo preferido do cibercrime nestes primeiros seis meses do ano, com mais de 10 bilhões de ataques, seguido pelos setores de saúde (9,7 bilhões), tecnologia (9,5 bilhões), varejo (7,8 bilhões) e governo (6,4 bilhões).
As investidas por e-mail também foram muito utilizadas pelos criminosos cibernéticos, com mais de 37 bilhões (43%) de ofensivas maliciosas no semestre. Os Estados Unidos foram o país mais atacado por esse tipo de estratégia, seguido por China, Holanda, França e Rússia.

Setores mais visados pelos hackers

Para além do usuário comum, os hackers também buscam invadir sistemas de grandes empresas e até mesmo casas que contenham dispositivos inteligentes. Por isso, é importante que todos sigam uma série de boas práticas para se proteger dos mais variados tipos de golpe.

O ransomware, ou “sequestro virtual”, é uma das estratégias mais comuns. Segundo o relatório da Trend Micro, no primeiro semestre de 2023 totalizaram quase 6,7 milhões de casos. Nesse tipo de golpe, os hackers “sequestram” dados pessoais e importantes, principalmente para empresas, e pedem um resgate em dinheiro ou criptomoedas.

Os mais atingidos pelo ransomware no primeiro semestre de 2023 foram os bancos, o varejo e empresas de transporte, com maior incidência na Turquia, Estados Unidos e Japão.

O relatório da Trend Micro também revelou que os principais alvos das campanhas de malware foram os setores governamental e industrial, com cerca de 145 mil registros cada um, seguidos pelas áreas de saúde (124.300), educação (101.400) e tecnologia (89 mil). Estados Unidos, Japão e Itália foram os países com o maior número de casos.

O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Acompanhe tudo sobre:Hackersseguranca-digital

Mais de Future of Money

SEC encerra investigações sobre criptomoeda pareada ao dólar BUSD

MicroStrategy, maior detentora de bitcoin, anuncia desdobramento de ações nos EUA

Ethereum ronda maior nível de criptos "travadas" em staking, enquanto mercado espera ETFs

Token da associação de futebol da Argentina dispara 100% com seleção na final da Copa América

Mais na Exame