Future of Money
Acompanhe:

Bitcoin tem melhor semana desde março de 2022 com otimismo no exterior

Criptomoedas tiveram semana de valorização após a divulgação dos dados de inflação nos Estados Unidos

Bitcoin acumula uma alta de 22,8% no acumulado dos últimos sete dias (Namthip Muanthongthae/Getty Images)

Bitcoin acumula uma alta de 22,8% no acumulado dos últimos sete dias (Namthip Muanthongthae/Getty Images)

J
João Pedro Malar

16 de janeiro de 2023, 14h40

Com uma valorização acumulada de mais de 20%, a segunda semana de janeiro de 2023 foi a melhor para o bitcoin desde a penúltima semana de março de 2022, confirmando uma recuperação da criptomoeda nos últimos dias apoiada pelo otimismo entre investidores ao redor do mundo.

Os dados do site Tradingview mostram que a maior criptomoeda do mercado teve uma variação entre 9 e 15 de janeiro que não havia sido vista no mercado desde o período entre 21 e 27 de março de 2022, que antecedeu uma longa sequência de quedas no chamado "inverno cripto".

  • Comece seu portfólio de criptomoedas. A Mynt é uma empresa BTG Pactual para você comprar e vender crypto com segurança e atendimento 24 horas. Abra agora sua conta e desbloqueie seu mundo crypto.

Segundo o site Coingecko, o bitcoin acumula uma alta de 23,2% no acumulado dos últimos sete dias. Atualmente, ele está cotado em US$ 21.028, o maior valor para o ativo desde a eclosão da crise envolvendo a corretora de criptomoedas FTX, no início de novembro.

Considerando o desempenho no mês, a criptomoeda pode ter a melhor performance desde fevereiro de 2022 caso a tendência recente de valorização se mantenha nas próximas semanas. O movimento ocorre após dois meses seguidos de queda no fim de 2022, também ligados à falência da FTX.

Craig Erlam, analista de mercado sênior na exchange Oanda, avalia que a marca dos US$ 20 mil “uma vez foi considerada um valor mínimo perturbador, mas agora representa potencialmente um sinal de renascimento" do bitcoin.

Já para a empresa de análises Glassnode, o movimento é "encorajador", mas ainda é preciso manter os pés no chão e ficar atento a algumas métricas que sinalizariam um movimento de alta ainda maior e uma saída do atual mercado de baixa que, até o momento, ainda não apareceram.

A nova recuperação do bitcoin se deveu principalmente a novos dados sobre a economia dos Estados Unidos. A inflação do país em dezembro recuou 0,1%, dentro do esperado pelo mercado, e trouxe otimismo para os investidores ao sinalizar a possibilidade do ciclo de alta de juros no país acabar neste ano.

O cenário é benéfico para ativos de risco como um todo, incluindo as criptomoedas, e o fim das altas de juros é considerada o grande fator que destravaria um novo ciclo de valorização no segmento, com o fim do chamado "inverno cripto" iniciado em 2022.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok