Bitcoin se aproxima de US$ 25 mil e Ethereum dispara 11% após rede finalizar testes para atualização

Recuo na inflação e uma importante atualização no blockchain Ethereum são os principais fatores alimentando movimento de alta das duas principais criptomoedas do mercado
Bitcoin e ether são as duas maiores criptomoedas do mundo (FroYo_92/Getty Images)
Bitcoin e ether são as duas maiores criptomoedas do mundo (FroYo_92/Getty Images)
M
Mariana Maria Silva

Publicado em 11/08/2022 às 09:02.

Última atualização em 11/08/2022 às 11:53.

O mercado de criptomoedas amanhece em alta generalizada nesta quinta-feira, 11. Com capitalização de US$ 1,2 trilhão, 6,4% a mais que o dia anterior, as criptomoedas movimentam US$ 115 bilhões nas últimas 24 horas. Nenhuma entre as 100 maiores em capitalização de mercado apresenta queda no momento, de acordo com dados do CoinMarketCap.

Apesar de se manterem no vermelho em 2022, as duas principais criptomoedas continuam ganhando força para uma possível recuperação. Cotado a US$ 24.536, o bitcoin sobe 6,17% nas últimas 24 horas. Chegando perto do importante patamar de US$ 25 mil, preço que a maior criptomoeda do mundo não atinge há dois meses.

(Mynt/Divulgação)

Os dados divulgados sobre a inflação nos Estados Unidos na última quarta-feira, 10, colaboraram para que o movimento de alta do bitcoin e da maioria das criptomoedas se intensificasse. Após ter atingido um recorde dos últimos 40 anos, a inflação no país se manteve estável em julho e apresentou números menores do que o esperado pelo mercado, alimentando assim o otimismo e o apetite ao risco de investidores.

“Dada a recente correlação estreita [do bitcoin] com as ações dos EUA, isso não deve surpreender. Por trás disso está uma mudança na composição do mercado”, comentou Simon Peters, analista da eToro.

No mês, o bitcoin sobe 24%, reduzindo cada vez mais a sua queda expressiva de 2022, que chegou aos 70% e agora se encontra em 48%, de acordo com dados do CoinMarketCap.

O analista técnico do BTG Pactual, Lucas Costa, acredita que o bitcoin possa romper os US$ 25 mil em breve:

"A semana é positiva para o mercado de criptos, em linha com um cenário de recuperação dos mercados globais. O movimento de alta observado não é característica exclusiva das criptos. Após dados de emprego surpreendentes, mas indicadores de inflação muito abaixo do esperado, o mercado viu um cenário favorável aos ativos percebidos como de maior risco, uma vez que podemos ter um Fed menos pressionado na sua política de elevação de juros e uma proximidade do pico da inflação.

O gráfico de capitalização de mercado mostra um aumento do volume negociado no mercado de cripto como um todo, após um susto repentino de queda no volume minutos antes da divulgação do CPI norte-americano. A queda brusca no volume pode ser encarada como um fluxo pontual, que não anula o cenário de alta do market cap na semana.

(CoinMarketCap/Reprodução)

O gráfico diário tem um aumento de pressão compradora, após 3 dias mais lateralizados. A quarta feira fechou com ganhos de 3,48% e hoje já subimos mais 3%, renovando máximas em relação aos últimos 15 dias. A tendência do médio prazo ainda segue de baixa, mas no curto prazo temos uma visão otimista para o principal criptoativo, apesar do upside menor.

O movimento atual ainda é repercute o rompimento da figura de triângulo dos US$21.850, frustrando vendedores e impulsionando o movimento até a próxima resistência em US$27.860. O objetivo de preço citado bastante relevante, uma vez que vendedores se forma agressiva nesse nível de preço e podemos ter alguns compradores esperando sair de suas posições perdedores no breakeven (zero a zero).

O nosso cenário continua de alta no curto prazo, mas exigimos cautela no teste dos US$27.860 e acreditamos que o preço possa ter dificuldade de romper a região. As posições de curto prazo podem ter seus stops ajustados para US$22.000, preservando uma relação de risco/retorno positiva para o teste da resistência. O cenário de alta só é frustrado caso o preço falhe em renovar máximas e perca o último fundo em US$20.400."

(TradingView/Reprodução)

Enquanto isso o ether, a criptomoeda nativa da rede Ethereum, sobe ainda mais que a sua predecessora no ranking dos principais criptoativos em valor de mercado. Cotado a US$ 1.892, o ether sobe 11,29% nas últimas 24 horas.

A alta mensal já atinge os 77,60% em meio às expectativas sobre uma importante atualização em sua rede blockchain, segundo dados do CoinMarketCap. Agendada para o dia 19 de setembro, a “The Merge” implementará uma importante mudança na forma como as transações da Ethereum são verificadas.

Abandonando de vez a mineração, a rede passará a utilizar o mecanismo de consenso chamado prova de trabalho (PoS), que gasta 99% menos energia elétrica e é considerado sustentável por especialistas.

Enquanto muitas empresas e projetos se dividem sobre a mudança e o criador da rede, Vitalik Buterin, afirma que a atualização “ainda não está precificada”, muitos especulam que a “The Merge” impulsiona o movimento de alta do ether e outras criptomoedas. A LIDO, da plataforma Lido DAO, que intermedia renda passiva em ether, sobe quase 19%, e o stETH, também emitido pela Lido, apresenta alta de quase 12%, de acordo com dados do CoinMarketCap.

Desenvolvedores da Ethereum colocaram no ar com sucesso o último teste da “The Merge” na noite da última quarta-feira, 10. Logo após o ocorrido, a segunda maior criptomoeda do mundo atingiu a cotação de US$ 1.900, preço que não era visto desde 1º de junho, há mais de dois meses.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok