Future of Money

Bitcoin dispara mais de 60% e tem o melhor desempenho entre ativos no 1º semestre

Levantamento aponta que maior criptomoeda do mercado superou outros investimentos tradicionais no Brasil, incluindo o Ibovespa e a poupança

Bitcoin disparou mais de 60% nos primeiros meses de 2024 (Reprodução/Reprodução)

Bitcoin disparou mais de 60% nos primeiros meses de 2024 (Reprodução/Reprodução)

João Pedro Malar
João Pedro Malar

Repórter do Future of Money

Publicado em 1 de julho de 2024 às 18h25.

O bitcoin encerrou o primeiro semestre de 2024 com uma valorização de 63,26% no acumulado dos últimos seis meses, posicionando o ativo como o de melhor desempenho entre as diversas aplicações mais tradicionais no mercado brasileiro. O levantamento foi divulgado por Einar Rivero, CEO da Elos Ayta Consultoria.

O levantamento destaca que a maior criptomoeda do mercado chegou a recuar 5,39% no mês de junho, com o pior desempenho mensal entre os ativos analisados. Entretanto, ele manteve a liderança tanto no acumulado dos últimos seis meses quanto na variação dos últimos 12 meses, englobando o segundo semestre de 2023.

No mês de junho, a liderança do bitcoin no pior desempenho entre os ativos foi seguida pela queda de 1,04% do índice de Fundos Imobiliários (IFIX). Já o ouro teve uma queda de 0,56% no mesmo período. Na ponta positiva, o índice de recibos de ações negociados em bolsa (BDRs) liderou, com alta de 12,79%. O dólar valorizou 6,05%, enquanto o euro subiu 4,73%.

Também no último mês, o Ibovespa acumulou ganhos de 1,48%, enquanto o CDI fechou em alta de 0,75%. A Elos Ayta avaliou ao todo treze ativos.

Considerando o acumulado nos últimos seis meses de 2024, o bitcoin se consolida na liderança, valorizando 63,26%. O segundo lugar é do índice de BDRs, com valorização acumulada de 41,07%, enquanto o terceiro lugar é do dólar, com alta de 14,82%.

No primeiro semestre, os piores desempenhos foram de investimentos na renda variável: o índice de small caps, o Ibovespa e o IDIV acumulam quedas de 14,85%, 7,66% e 3,41%, respectivamente. Já o CDI, a poupança, o Ima Gerl e o IFIX tiveram rentabilidades inferiores a 5,2%.

O bitcoin também lidera os ganhos no acumulado dos últimos 12 meses, com ganhos de 130,1%. Ele é seguido pelo índice de BDRs, que subiu 54,78%, e pelo ouro, que teve alta de 21,1%. Os destaques negativos são o índice de small caps - com perda de 11,96% -, e o Ibovespa e o índice IHFA, com altas de 4,93% e 5,09%. Dentre os 13 ativos, analisados, cinco tiveram rentabilidade inferior a 10%, quatro entre 10% e 20% e três superior a 20%.

Guilherme Nazar, diretor-geral da Binance para o Brasil, avalia que "o que observamos é a entrada de cada vez mais pessoas no espaço cripto no contexto de desenvolvimentos relevantes que marcaram o primeiro semestre de 2024", o que tem se refletido na valorização da criptomoeda.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:BitcoinCriptomoedasCriptoativosInvestimentos-pessoaisIbovespa

Mais de Future of Money

BCE realiza primeiro teste de tokenização de títulos privados com banco

Criptomoedas hoje: apetite ao risco aumenta e um ativo se destaca em meio a recuo generalizado

Pix não teria "ganho efetivo" ao adotar tecnologia do Drex, diz executivo

Embedded Finance: conheça a nova tendência de serviços financeiros em empresas

Mais na Exame