POLÔNIA x ARÁBIA SAUDITA AO VIVO:

Acompanhe lance a lance a partida da Copa do MundoVeja agora.

Binance contrata Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central do Brasil

Henrique Meirelles, ex-presidente do Banco Central do Brasil e ex-ministro da Fazenda, é o novo membro do conselho consultivo da corretora de criptomoedas
Henrique Meirelles é ex-presidente do BC (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
Henrique Meirelles é ex-presidente do BC (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
C
Cointelegraph Brasil

Publicado em 04/09/2022 às 15:56.

Última atualização em 05/09/2022 às 12:02.

A Binance, uma das maiores exchanges de criptomoedas do mundo, está contratando o ex-presidente do Banco Central do Brasil, Henrique Meirelles. Meirelles, que também já foi Ministro da Fazenda, passa a integrar o conselho consultivo da corretora.

Como conselheiro, ainda não foi divulgada exatamente a função que Meirelles irá desempenhar na exchange.

“A Binance confirma a participação de Henrique Meirelles no novo conselho consultivo global da empresa e informa que vai divulgar mais detalhes sobre essa iniciativa em breve”, declarou a exchange ao Cointelegraph.

(Mynt/Divulgação)

Meirelles acompanha ativamente o mercado de criptomoedas desde, pelo menos, 2017, quando, ao ocupar o cargo de presidente do Banco Central do Brasil, participou das primeiras discussões sobre criptomoedas dentro do G20.

Na época do G20, Meirelles concedeu uma entrevista ao site CriptoFácil no qual afirmou que a regulamentação para as criptomoedas era um caminho natural e que há diversas posições sobre o tema, porém todas convergem na necessidade de regulamentar o setor.

"A regulamentação e a taxação do mercado são um caminho natural. No entanto, existem posições divergentes sobre o tema, seja nos países que possuem startups no setor, seja naqueles em que o uso é mais difundido", disse.

No entanto, Meireles destacou que a falta de regulamentação não impediu o Brasil e as empresas do país de desenvolver produtos e novas formas de interação econômica por meio dos criptoativos.

"No Brasil, a falta de uma regulamentação não impediu avanços nesta área, afinal o fato de não existir uma regulamentação definida não significa que isso é proibido. No momento, não há nenhum tipo de direcionamento ou limitação para a proibição de criptomoedas no Brasil", afirmou ele.

Parceria

Recentemente a Binance Charity e a Women in Tech, anunciam uma parceria global de referência para oferecer cursos em blockchain para 2.800 mulheres de comunidades vulneráveis ​​no Brasil e em diversos países da África.

A Binance Charity está doando US$ 250.000 em BUSD para um projeto piloto de seis meses que capacitará mulheres com conhecimento e habilidades para se desenvolverem no futuro da Web3. Os primeiros cursos ocorrem no Rio de Janeiro, Brasil, e Cidade do Cabo, África do Sul, a partir de outubro deste ano.

“A Binance acredita que o futuro das criptomoedas deve ser construído por todos, não por poucos. Por isso estamos criando cursos com certificação e removendo barreiras financeiras para mulheres estudarem e praticarem, especialmente aquelas de comunidades vulneráveis. É importante para nós da Binance e da Women in Tech que a educação, a inovação e as oportunidades de pesquisa em blockchain de qualidade estejam ao alcance de todos”, disse Helen Hai, vice-presidente da Binance e líder da Binance Charity.

Os cursos serão oferecidos em turmas para 25 jovens mulheres entre 15 e 25 anos, por professores qualificados presencialmente, online ou híbridos. Os cursos Web3 serão estruturados pela Binance Academy e adaptados para atender ao contexto local.

O programa piloto no Brasil se inicia no Morro dos Prazeres (Rio de Janeiro) e a primeira jornada terá 50 mulheres. Ao longo dos próximos cinco meses, outras 300 mulheres serão inscritas no programa em todo o país. O piloto da África do Sul começa na Cidade do Cabo, no Philippi Village Tech Hub, no município de Philipp, para outras 50 mulheres.

Ao longo dos seis meses, outros programas serão implementados no Zâmbia, Nigéria, Senegal, Marrocos, Burundi, Quênia, Gana e Costa do Marfim.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok