Binance cancela oferta de derivativos na Europa; Malásia ordena fechamento

Corretora é acusada pelo governo da Malásia de operar ilegalmente e usuários da Europa não poderão abrir novas posições de derivativos e futuros
 (Divulgação/Binance)
(Divulgação/Binance)
Por CoindeskPublicado em 30/07/2021 18:05 | Última atualização em 30/07/2021 18:05Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Os problemas regulatórios enfrentados pela Binance pioraram quando o governo da Malásia ordenou o encerramento das operações no país, e a corretora de criptomoedas disse que está planejando reduzir oferta de derivativos e futuros na Europa, começando pela Alemanha, Itália e Holanda.

  • A Comissão de Valores Mobiliários da Malásia emitiu uma advertência pública contra a companhia e ordenou que os apps e site sejam desativados no país.
  • De acordo com a comissão, a Binance está “operando ilegalmente uma corretora de ativos digitais”. As leis do país demandam que todas as corretoras do gênero sejam registradas na Comissão de Valores Mobiliários (SC)
  • A Binance também precisará reduzir suas atividades de marketing e evitar que investidores da Malásia acessem seu grupo no Telegram.
  • Na Europa, a Binance anunciou que os usuários da Alemanha, Itália e Holanda não poderão abrir novas posições de futuros e derivativos na plataforma. As posições pré-existentes terão que ser fechadas até data indeterminada.
  • A decisão é a sua última jogada para se distanciar dos produtos e serviços de diferentes mercados que se afundaram em investigações por parte das autoridades reguladoras.
  • No começo da semana, a Binance anunciou que estaria encerrando a negociação de criptoativos com margem que envolvesse a libra esterlina, o euro e o dólar australiano. Isso aconteceu apenas algumas horas após o tweet de Changpeng Zhao, o CEO da corretora, dizendo que a companhia estaria reduzindo o limite de alavancagem para negociação de futuros de 100x para 20x.
  • A Binance já teve complicações com as autoridades reguladoras da Malásia anteriormente, e foi adicionada junto com a eToro à uma lista de companhias que não podem operar no país em julho de 2020.
Texto traduzido e republicado com autorização da Coindesk