Bank of America afirma que CBDCs são mais eficientes que dinheiro

Segundo maior banco dos EUA diz que a ascenção das CBDCs foi “inevitável” e quer explorar potencial das criptomoedas

O Bank of America classificou as moedas digitais expedidas pelos bancos centrais como “um sistema de pagamentos muito mais eficaz que o dinheiro”, em uma pesquisa publicada na quarta-feira, 28.

O banco, que é o segundo maior dos EUA por total de ativos, afirmou que as CBDCs poderiam “substituir o dinheiro completamente em um futuro (distante)”.

O relatório vem à tona em um momento de crescente interesse dos bancos centrais nas CBDCs. Um relatório de maio realizado pela plataforma de infraestrutura de blockchain Bison Trails descobriu que 80% dos bancos centrais no mundo estão explorando casos em que as CBDCs seriam úteis, e 40% já estão com programas em fase de testes.

O Bank of America disse que a a adoção às CBDCs era “inevitável”, citando um decrescente emprego do dinheiro enquanto o setor privado utiliza cada vez mais a tecnologia blockchain, a perda de controle monetário e o potencial das CBDCs para impulsionar a economia. O relatório ainda notou que os bancos centrais que não lançarem suas próprias moedas digitais podem enfrentar diminuição na demanda por suas moedas, “substancialmente em alguns casos”, e uma menor “participação global”.

A pesquisa diz que as CBDCs se qualificam como dinheiro “por permitir o armazenamento de valor e serem uma unidade de conta e meio de troca”, as diferenciando de outras criptomoedas que “não atendem à esses critérios”. “Considerando que são negociadas, elas poderiam ser vistas como uma classe de ativos”, de acordo com a pesquisa.

O Bank of America afirma que as CBDCs poderiam diminuir a necessidade pelas stablecoins, notando que a última poderia “apresentar maior risco para a estabilidade financeira e material em tempos de estresse no mercado, quando pode acontecer uma grande busca por liquidez”.

Nos últimos meses, o BofA aumentou o seu compromisso de prover mais serviços de criptomoedas e explorar o seu potencial. O banco criou um time dedicado a pesquisar criptomoedas e tecnologias relacionadas, de acordo com nota. Separadamente, também aprovou a negociação de futuros de bitcoin para alguns clientes, e a sua principal unidade de corretagem já iniciou a compensação e liquidação de produtos de criptoativos negociados em bolsa (ETPs) para fundos de hedge na Europa.

Texto traduzido e republicado com autorização da Coindesk

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também