Future of Money

Bancos centrais de sete países anunciam projeto para explorar tokenização em pagamentos

Autoridades monetárias dos EUA, Reino Unido, Japão, França, Suíça, México e Coreia do Sul se uniram para testar tokenização

Tokenização tem ganhado espaço no mercado (Reprodução/Reprodução)

Tokenização tem ganhado espaço no mercado (Reprodução/Reprodução)

João Pedro Malar
João Pedro Malar

Repórter do Future of Money

Publicado em 4 de abril de 2024 às 14h16.

O Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês), considerado o "banco central dos bancos centrais", anunciou na última quarta-feira, 3, um novo projeto que contará com a participação de sete bancos centrais para testar e explorar o potencial da tokenização, com foco na área de pagamentos transfronteiriços.

De acordo com um comunicado divulgado pela instituição, a iniciativa recebeu o nome de Projeto Agorá, em referência à palavra grega para marketplace. O projeto contará com a participação dos bancos centrais da França, Japão, Coreia do Sul, México, Suíça, Inglaterra e com a filial do Federal Reserve em Nova York.

  • Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.  

A ideia é que as autarquias também trabalhem em conjunto com instituições privadas reunidas no Instituto Internacional de Finanças (IIF, na sigla em inglês) para "explorar como a tokenização pode melhorar o funcionamento do sistema monetário" atual.

"O projeto baseia-se no conceito de livro-razão unificado proposto pelo BIS e investigará como os depósitos bancários comerciais tokenizados podem ser integrados com moedas digitais de bancos centrais em uma plataforma financeira central programável público-privada", explica o comunicado.

Na visão do BIS, esse cenário "poderia melhorar o funcionamento do sistema monetário e fornecer novas soluções utilizando contratos inteligentes e programabilidade, mantendo ao mesmo tempo a sua estrutura de dois níveis", dividida entre a atuação de agentes públicos e privados.

A ideia é que as instituições envolvidas testem o uso da tecnologia blockchain e suas funcionalidades, como os contratos inteligentes, que segundo o BIS "podem permitir novas formas de liquidação e desbloquear tipos de transações que não são viáveis ​​ou práticas atualmente, oferecendo, por sua vez, novas oportunidades para beneficiar empresas e pessoas".

O objetivo final do projeto é "superar várias ineficiências estruturais na forma como os pagamentos acontecem hoje, especialmente os transfronteiriços" e superar diferenças jurídicas, regulatórias e técnicas que ainda dificultam a integração entre os sistemas de pagamento ao redor do mundo.

A próxima etapa da iniciativa envolverá a abertura de uma chamada para instituições privadas manifestarem interesse em integrar o Projeto Agorá, representando os países dos bancos centrais escolhidos e ajudando a construir o "sistema monetário do futuro".

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:TokenizaçãoBlockchain

Mais de Future of Money

Kamala Harris pode ser 'muito mais receptiva' às criptomoedas que Biden, diz Mark Cuban

Presidente do Banco Central quer "superapp" de finanças integrado com inteligência artificial

Ferrari anuncia que vai aceitar pagamentos em criptomoedas na Europa

Worldcoin, projeto de Sam Altman, nega acusações de insider trading de criptomoeda própria

Mais na Exame