Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

O Pix, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central, já é um sucesso entre a população brasileira, superando em poucos anos alternativas tradicionais como o boleto bancário e o cartão de crédito. Mas os planos da autarquia para a ferramenta ainda não acabaram. Nesta terça-feira, 6, a organização revelou quais novidades já estão em desenvolvimento para o curto e médio prazo.

Durante sua participação no evento Criptorama Brasília 2023, Carlos Brandt, executivo do Banco Central responsável pela operação do Pix, destacou que o sistema é um "projeto contínuo, com uma evolução continuada ao longo do tempo para que possa sempre estar oferecendo o que tem de melhor em opções de pagamento para a sociedade. Não tem começo meio e fim".

Ao mesmo tempo, a ferramenta já obteve uma sequência de recordes: R$ 1 trilhão por mês movimentados, mais de 3 bilhões de transações por mês, 140 milhões de usuários adultos (81% da população) e 13 milhões de empresas (79% do total no Brasil). Mesmo com uma rápida adoção inicial, Brandt ressaltou que o processo de adesão ao sistema continua, com destaque para o crescimento entre empresas nos primeiros meses de 2023 - os pagamentos entre pessoas e empresas passaram de 5% do total para 29% neste ano.

Brandt reconhece que, hoje, "o Pix não serve ainda para qualquer tipo de pagamento. Estamos no caminho, é uma construção, para que possa ir incorporando o Pix para outros casos de uso que ainda não atende ou que não atende bem. A ideia é fazer essa ampliação, incorporando novas tecnologias e considerando as novas necessidades da sociedade".

  • A PLATAFORMA CRYPTO BRASILEIRA QUE ACEITA PIX NO DEPÓSITO. Invista em criptomoedas e faça seus depósitos em reais com a segurança do Pix. A Mynt tem atendimento 24 horas, todos os dias; Acredite no poder da economia digital e saia na frente. Abra sua conta com taxa zero.  

Pix Automático

Brandt revelou que, atualmente, o Banco Central trabalha no chamado Pix Automático. A ideia é ter uma funcionalidade voltada tanto para negócios digitais quanto estabelecimentos físicos que permitirá a realização de pagamentos de forma recorrente, trabalhando as diferentes dinâmicas de acesso que o sistema atualmente possui.

"É um produto muito complexo, com flexibilidade para atender diferentes necessidades e casos de uso, com um cenário de ampla competição, com múltiplos agentes podendo oferecer esses serviços, produtos", explicou o executivo. Atualmente, não há uma previsão oficial de lançamento da nova funcionalidade, mas a ideia é "aproveitar o que nós já temos entregue para a sociedade".

Marketplaces

Outra funcionalidade que está em desenvolvimento pelo Banco Central um conjunto de soluções específicas para marketplaces. Atualmente, esses ambientes já usam o Pix e possibilitam a realização de pagamentos nas compras, mas Brandt observa que eles possuem "dinâmicas específicas", que acabam demandando soluções também específicas de uso.

A primeira medida em análise é para o chamado DVP (Entrega contra Pagamento). A ideia é que os vendedores de um marketplace apenas recebam os pagamentos depois que os produtos são efetivamente entregues para o comprador, o que demandará uma retenção temporária do pagamento, com o marketplace atuando como um intermediário. Outra solução é para os "carrinhos de compra", permitindo uma forma "segura e transparente" de comprar múltiplos produtos, de diferentes vendedores, com pagamento via Pix.

Pix Internacional

O último projeto em desenvolvimento é o Pix Internacional, uma solução do Banco Central para tornar as transferências para outros países "mais eficientes e baratas", comenta Brandt. "Hoje tem desafios de alto custo, baixa velocidade, acesso limitado e falta de transparência. A ideia é usar o Pix para superar esses desafios", explica o executivo.

Atualmente, a autarquia estuda duas formas diferentes de lançar esse recurso. A primeira envolveria uma integração direta com sistemas de pagamentos já usados em outros países. Outra seria conectar a ferramenta com iniciativas existentes no mercado que interligam sistemas nacionais de pagamentos, realizando uma conexão indireta.

Brandt também afirmou que o Pix, o Open Finance e o Real Digital "têm muita sinergia e convergem para algo que vai nos permitir oferecer um conjunto muito completo de soluções para nossos usuários, toda a sociedade,e atender as nossas necessidades para criar um ambiente de pagamentos muito forte e interessante".

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Créditos

Últimas Notícias

ver mais
Venda de US$ 3,4 bilhões em criptomoedas da falida FTX não deve afetar mercado, diz Coinbase
Future of Money

Venda de US$ 3,4 bilhões em criptomoedas da falida FTX não deve afetar mercado, diz Coinbase

Há 4 horas
Executivo do Google diz que mercado cripto está "focado demais" nos preços dos ativos
Future of Money

Executivo do Google diz que mercado cripto está "focado demais" nos preços dos ativos

Há 4 horas
No aguardo por reunião do Fed, bitcoin e outras criptomoedas apresentam ganhos
Future of Money

No aguardo por reunião do Fed, bitcoin e outras criptomoedas apresentam ganhos

Há 6 horas
Blockchain da Coinbase ronda recorde de 2 milhões de transações diárias após lançamento
Future of Money

Blockchain da Coinbase ronda recorde de 2 milhões de transações diárias após lançamento

Há 6 horas
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais