Ata de reunião do FOMC não afeta mercado cripto, que se mantém estável: ethereum sobe 2%

Autoridade monetária dos EUA vai acompanhar a inflação e o mercado de trabalho enquanto o de criptomoedas vive momento de incerteza
Ethereum é a segunda maior criptomoeda do mundo (SOPA Images/Getty Images)
Ethereum é a segunda maior criptomoeda do mundo (SOPA Images/Getty Images)
M
Mariana Maria Silva

Publicado em 18/08/2022 às 11:00.

Última atualização em 18/08/2022 às 11:21.

Nesta quinta-feira, 18, o mercado de criptomoedas inicia o dia relativamente estável. Com capitalização de US$ 1,1 trilhão (-0,3%), as criptomoedas movimentaram US$ 77 bilhões nas últimas 24 horas, de acordo com dados do CoinGecko.

Na quarta-feira, 17, a divulgação da ata do Comitê Federal de Mercado Aberto dos EUA (FOMC) revelou que a autoridade monetária vai acompanhar as informações dos indicadores econômicos nos próximos meses, incluindo a inflação e os índices do mercado de trabalho e sua atividade.

Após o anúncio, o mercado de criptomoedas fechou em leve queda, surpreendendo positivamente as expectativas de especialistas e trazendo certo conforto para os mercados globais. O bitcoin, a principal criptomoeda, é cotado a US$ 23.515, subindo 0,3% nas últimas 24 horas, de acordo com dados do CoinGecko.

(Mynt/Divulgação)

Segundo Nicholas Sacchi, head de research da Mynt, a nova plataforma de criptoativos do BTG Pactual, “apesar do alívio momentâneo gerado para os ativos de risco, os membros do conselho de política monetária do país concordam com a continuidade do aumentos das taxas de juro, mas já reconhecem o risco de irem longe demais”.

“Hoje tivemos também a divulgação dos pedidos iniciais de seguro-desemprego no país, que apontou para um redução número de solicitações, o que, em conjunto com os dados de empregos gerados divulgado na semana passada, aponta para uma economia ainda aquecida e pode indicar a necessidade de movimentos mais marcantes pelo banco central americano”, acrescentou Nicholas.

No melhor dos cenários, as criptomoedas podem voltar a subir. É o que afirma Ayron Ferreira, analista-chefe da Titanium Asset Management. “A esperança do mercado para que o rally de alta continue, é que a inflação recue de fato e que a postura hawkish do FED faça efeito, sem lançar a economia em uma recessão acentuada. Este seria o melhor dos mundos”.

No entanto, “as condições do mercado de trabalho americano, que ainda está muito aquecido, com taxa de desemprego em apenas 3,5 e salários crescendo acima da inflação” podem ser fatores de preocupação, segundo Ayron. “Isso demonstra que a demanda dos consumidores ainda está mais forte do que a oferta de produtos e serviços, causando desequilíbrio nos preços”, afirmou.

Já o ether, a criptomoeda nativa da rede Ethereum, é cotado a US$ 1.864, apresentando alta de 1,8% nas últimas 24 horas, de acordo com dados do CoinGecko. Embora já passe a apresentar queda de 2,63% na semana, a segunda maior criptomoeda do mundo ainda sobe mais de 20% no cenário mensal, marcado pelas expectativas quanto a uma importante atualização em sua rede.

De acordo com Ayron Ferreira, caso a “The Merge”, como é conhecida a atualização da Ethereum, obtenha sucesso, e o cenário macroeconômico apresente melhoras, é possível que o ether e as principais criptomoedas voltem a apresentar altas significativas. No entanto, caso isso não aconteça, o contrário pode ocorrer.

O Índice de Medo e Ganância, que mede o sentimento do mercado de criptomoedas, voltou a indicar “medo” por parte de investidores, após ter atingido pontuação neutra pela primeira vez em meses. No momento, o índice está em 30 pontos.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok