• AALR3 R$ 20,07 -0.50
  • AAPL34 R$ 68,42 1.57
  • ABCB4 R$ 16,64 0.73
  • ABEV3 R$ 14,20 1.14
  • AERI3 R$ 3,78 5.88
  • AESB3 R$ 10,94 0.92
  • AGRO3 R$ 31,53 1.12
  • ALPA4 R$ 22,16 4.09
  • ALSO3 R$ 18,88 -0.63
  • ALUP11 R$ 26,52 -2.03
  • AMAR3 R$ 2,59 1.97
  • AMBP3 R$ 32,33 3.99
  • AMER3 R$ 21,50 -1.78
  • AMZO34 R$ 3,40 4.17
  • ANIM3 R$ 5,66 3.47
  • ARZZ3 R$ 81,16 2.14
  • ASAI3 R$ 16,04 2.04
  • AZUL4 R$ 20,95 4.38
  • B3SA3 R$ 12,42 4.28
  • BBAS3 R$ 37,45 -0.32
  • AALR3 R$ 20,07 -0.50
  • AAPL34 R$ 68,42 1.57
  • ABCB4 R$ 16,64 0.73
  • ABEV3 R$ 14,20 1.14
  • AERI3 R$ 3,78 5.88
  • AESB3 R$ 10,94 0.92
  • AGRO3 R$ 31,53 1.12
  • ALPA4 R$ 22,16 4.09
  • ALSO3 R$ 18,88 -0.63
  • ALUP11 R$ 26,52 -2.03
  • AMAR3 R$ 2,59 1.97
  • AMBP3 R$ 32,33 3.99
  • AMER3 R$ 21,50 -1.78
  • AMZO34 R$ 3,40 4.17
  • ANIM3 R$ 5,66 3.47
  • ARZZ3 R$ 81,16 2.14
  • ASAI3 R$ 16,04 2.04
  • AZUL4 R$ 20,95 4.38
  • B3SA3 R$ 12,42 4.28
  • BBAS3 R$ 37,45 -0.32
Abra sua conta no BTG

BIS: Brasil recebe 50% dos investimentos em fintechs da América Latina

Estudo mostra que país é o maior mercado de fintechs em termos de investimento, volume de financiamento alternativo e número de negócios da América Latina
 (Getty Images/primeimages)
(Getty Images/primeimages)
Por Gabriel RubinsteinnPublicado em 12/11/2020 15:47 | Última atualização em 12/11/2020 20:56Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Um estudo publicado na última semana pelo BIS (Banco de Compensações Internacionais), instituição considerada o "banco central dos bancos centrais", mostra que o Brasil é o principal mercado de fintechs da América Latina, tanto em termos de investimentos, quanto em número de negócios e em volume de financiamento.

O estudo do BIS, que mapeou startups do setor financeiro em toda a América Latina, mostra que o Brasil acumulou 222 acordos de negocição com fintechs e responde por 50,5% do total de investimentos do setor na região, somando, ao todo, quase 2,5 bilhões de dólares — a maior parte direcionada a bancos digitais e serviços de pagamento.

O país com o segundo maior volume de investimento na região é a Colômbia, com 1,09 bilhão de dólares, seguido por México (649 milhões de dólares) e Argentina (290 milhões). Em relação ao volume de financiamento alternativo, a segunda colocação é do Chile, seguido por México e Colômbia.

"Entre 2017 e 2019, o investimento em fintechs cresceu mais de 100%, enquanto o número de acordos aumentou 28%", diz o relatório do BIS.

O relatório mostra que, em 2019, 64% dos brasileiros usou serviços de pelo menos uma fintech — mesmo número da média mundial. No México, 72% da população utiliza serviços de fintechs, enquanto na Colômbia são 76%. Os altos números dos países latino-americanos em relação à média global se deve principalmente por causa do grande número de desbancarizados.

Ainda segundo o documento, mais da metade da população dos países da América Latina não tem acesso a serviços financeiros e, como oferecem custos mais baixos e maior eficiência, as fintechs avançam rapidamente na região.