• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Startups: grupos de investidores anjo unem esforços em carteira de R$ 2 bi

BR Angels, Urca Angels, CapTable, WOW e CESAR formam parceria para co-investir em startups de diversos setores
‘Grupo dos 5’ investiu R$ 21 milhões em 130 startups desde o início da pandemia; carteira vale R$ 2 bi (Getty Images/MR.Cole_Photographer)
‘Grupo dos 5’ investiu R$ 21 milhões em 130 startups desde o início da pandemia; carteira vale R$ 2 bi (Getty Images/MR.Cole_Photographer)
Por Angela BittencourtPublicado em 13/07/2021 13:05 | Última atualização em 13/07/2021 13:05Tempo de Leitura: 5 min de leitura

Quem faz junto, faz mais e melhor. Partidários desse lema, cinco investidores decidiram formar uma parceria para co-investir em startups de diversos setores. Sem preconceitos ou preferências e mirando longa distância, os grupos de investimento anjo BR Angels Smart Network e Urca Angels, a plataforma CapTable, a WOW Aceleradora de negócios e o centro de inovação CESAR planejam reforçar aportes em startups de tecnologia, logística, finanças, agronegócios e varejo.

Os cinco parceiros exibem, juntos, um portfólio de 130 startups, em que investiram quase R$ 21 milhões desde o início da pandemia. A empreitada valeu a pena e eles querem mais. Hoje, essa carteira ‘coletiva’ tem valor estimado em robustos R$ 2 bilhões. A expectativa é aportar mais de R$ 100 milhões este ano.

O BR Angels, composto por mais de 150 empreendedores e presidentes de grandes companhias com valor de mercado que supera R$ 1 trilhão, lidera a ação. Orlando Cintra, CEO e fundador, avalia que a cooperação e aproximação entre investidores é fundamental para fortalecer o ecossistema de investimentos em startups no país. “O investimento anjo e o crowdfunding, particularmente, vêm ganhando força nos últimos anos com maior interesse de executivos de alto escalão em investir e doar capital intelectual para ensinar e aprender com startups”, afirma.

Em entrevista ao EXAME IN, Orlando Cintra explica que o ‘grupo dos 5’ tomou a iniciativa de atuar conjuntamente por ter constatado que existem recursos financeiros disponíveis, mas o relacionamento de alto nível e mentoria de executivos e empreendedores experientes é basicamente inacessível para startups em um modelo de economia tradicional. “Esse ‘smart capital’ que buscamos oferecer não tem preço, pois abre muitas portas e compartilha o caminho das pedras com os novos empreendedores.”

O CEO da BR Angels informa que a tese de investimento do grupo – co-investimento – está aberta para vários segmentos da economia. “No caso específico da BR Angels, agora queremos muito investir em Healthtechs, Insurtechs e Sportechs, pois entendemos que possuem ótimo horizonte do ponto de vista de mercado e também vão complementar o portfólio de onze startups em que investimos em menos de dois anos”, diz Cintra.

Ilana Horta, investidora anjo do Urca Angels, criada em 2019 e composta principalmente por ex-alunos do Instituto Militar de Engenharia (IME), avalia que a união dos investidores e veículos de investimento diminui o risco para as próprias startups, considerando tanto o caixa desses grupos quanto o capital intelectual dos integrantes com experiências em diversas áreas de atuação. “Esse é o ativo mais valioso que dispomos”, diz a investidora que prioriza “startups do setor de tecnologia, negócios com produtos escaláveis, disruptivos, de alto crescimento e com equipe que tenha forte capacidade de execução”.

Para Paulo Deitos, co-fundador da CapTable, a empresa quer ser o hub de investimento em startups para viabilizar a entrada de investidores comuns nas operações. A CapTable é uma plataforma de ‘crowdfunding’ que promove a conexão entre investidores em busca de bons retornos e empresas inovadoras que procuram viabilizar seu crescimento. “Com distribuição de ofertas públicas de valores mobiliários, a plataforma permite o cadastramento de startups em dois estágios de investimentos, nas rodas Seed ou Série A”, conta o executivo.

A WOW Aceleradora, reconhecida como a maior aceleradora independente do país, promove programas que impulsionam negócios inovadores. Mais de 200 investidores apoiam a WOW para promover o ecossistema de empreendedorismo de base tecnológica no Brasil, afirma André Ghignatti, diretor executivo da WOW para quem colaborar com a rede de investidores que vão apoiar as startups nas fases mais maduras [de investimento], pois “quanto melhor o alinhamento entre esses atores, melhor será o ecossistema”.

O CESAR, um dos maiores centros de inovação do país e que atua há 25 anos na formação de profissionais por meios digitais, defende a promoção do empreendedorismo e o desenvolvimento de negócios através do design e do uso de tecnologia. Fred Arruda, CEO do CESAR, relata o objetivo de formar profissionais que fomentem e executem projetos que possam gerar mudanças socioeconômicas relevantes para o país. “Alguns dos nossos eixos de trabalho são inovação corporativa e estratégia de negócios, design de produtos e serviços e soluções e Tecnologia da Informação e Comunicação.”

A retomada é real

A retomada da economia anima também o seleto ‘grupo dos 5’. E o avanço da vacinação contra a Covid-19 – a despeito da apreensão com a variante Delta que coloca o Japão e países europeus de sobreaviso – é um fator relevante para as perspectivas de cenário. Em março passado, pesquisa da BR Angels, em parceria com a HSM, LearningVillage e FirstCom, mostrou que 76,9% dos empresários acreditavam que se o Brasil alcançasse a imunidade coletiva, o mundo dos negócios seria aquecido.

“Naquele momento, a pesquisa demonstrou que o caminho para a retomada da economia era a vacinação e que a ideia de ser também por inciativa privada era vista de forma positiva pelos executivos”, diz Orlando Cintra, da BR Angels, ao EXAME IN. O CEO não tem dúvida de que com a vacinação “a pleno vapor o ambiente para a retomada de negócios na economia real, e principalmente digital, será grande”.

O ‘grupo dos 5’ investidores também não tem dúvida de que o futuro do país passa  fortemente pela inovação e que essa inovação pode ser, em grande parte, criada ou impulsionada pelas startups, seus modelos ágeis de negócios, ideias disruptivas e pela troca entre novos empreendedores e mentores com experiência e excelentes redes de relacionamentos. Com a trilha aberta, agora é caminhar.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

Veja Também

Como uma fintech encara o suporte ao cliente?
Um conteúdo Bússola
Há 16 horas • 4 min de leitura

Como uma fintech encara o suporte ao cliente?

Hora é de buscar o breakeven nas startups, diz João Kepler
Negócios
Há 20 horas • 7 min de leitura

Hora é de buscar o breakeven nas startups, diz João Kepler