FecoAgro: Mercado de grãos no RS terá melhor custo-benefício em uma década

Segundo levantamento, os custos têm sido pressionados pela valorização do dólar frente ao real e a elevação dos preços dos principais produtos agrícolas

 Os custos de agricultores com a produção de milho e soja no Rio Grande do Sul deverão aumentar quase 30% na safra 2021/22 em comparação com a temporada anterior, mas os bons preços das commodities ainda favorecem a relação de troca com insumos, estimada para ser a melhor em cerca de uma década, disse nesta segunda-feira a Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS).

Segundo levantamento da entidade, os custos têm sido pressionados pela valorização do dólar frente ao real e a elevação dos preços dos principais produtos agrícolas, que deram impulso ao aumento nas despesas com fertilizantes e demais insumos.

Além disso, a FecoAgro/RS também citou aumentos nos preços de combustíveis e máquinas e equipamentos como fator para a elevação do desembolso na próxima safra.

Conforme os números da federação, o avanço no custo operacional do milho foi estimado em 27,36% ante 2020/21, a 4.549,94 reais por hectare, enquanto o custo total foi projetado em 6.625,43 reais, alta de 1.590,85 reais por hectare na comparação anual.

No caso da soja, os cálculos da FecoAgro/RS apontam um desembolso de 3.098,25 reais por hectare, aumento de 29,98%, com custo total estimado em 4.800,76 reais/hectare, elevação de 31,78% na mesma base de comparação.

Apesar disso, ambas as commodities apresentam relações de troca favorável no Estado, ponderou a federação. Para o milho, o índice é o melhor nas últimas dez safras, enquanto a soja tem a relação mais favorável em nove temporadas.

Isso decorre dos altos preços em que os produtos agrícolas têm sido negociados, em meio a uma firme demanda e baixos estoques globais.

Na bolsa de Chicago, a cotação da soja atingiu na semana passada o maior nível desde 2012, chegando a superar a marca de 16 dólares por bushel, e o milho girou em torno de máximas de oito anos, antes de devolverem alguns ganhos na reta final da semana.

Em nota, o presidente da FecoAgro/RS, Paulo Pires, destacou que, mantendo-se os atuais preços pagos e os custos projetados, o produtor terá uma rentabilidade melhor na cultura do milho do que na soja no Estado.

"O levantamento da FecoAgro/RS salienta que, embora o produtor esteja mais capitalizado neste ano, é preciso ter cautela, pelo fato de ocorrer momentos cíclicos de bons preços, pois o mercado é volátil e o produtor enfrenta risco", acrescentou a entidade.

Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.