Clima seco no Brasil pressiona China a comprar milho dos EUA

O Brasil costuma ser o maior mercado para o milho nesta época do ano, mas atrasos no plantio e a seca prejudicaram a safrinha

Kim Chipman e Isis Almeida, da Bloomberg

O clima seco no Brasil redireciona os fluxos comerciais e leva a China a comprar grãos dos Estados Unidos, o que impulsiona os preços globais. O Brasil costuma ser o maior mercado para o milho nesta época do ano, mas atrasos no plantio e a seca prejudicaram a safrinha. Como resultado, a China tem comprado regularmente milho dos EUA nas últimas duas semanas, disseram pessoas a par do assunto.

As compras da China pressionam a oferta global e já elevaram os preços ao nível mais alto em oito anos. Isso também aumenta o custo de rações para galinhas, suínos e vacas e gera temores de inflação dos alimentos.

Exportadores dos EUA venderam 680 mil toneladas de milho à China para entrega no ano comercial que começa em 1º de setembro, disse o Departamento de Agricultura dos EUA na terça-feira. Esse volume segue compras pesadas na segunda-feira e na semana passada. Muitas das vendas correspondem à safra dos EUA sendo plantada atualmente.

Historicamente, a China não tem sido um grande importador de milho, mas agora seus plantéis de suínos se recuperam mais rápido do que o esperado da peste suína africana. Fazendas profissionais estão substituindo as operações de menor porte, o que leva a uma maior demanda por grãos para ração, já que pequenos criadores tendem a alimentar porcos com restos de comida em vez de milho e farelo de soja.

Operadores acompanharão de perto o relatório mensal dos EUA sobre a oferta e demanda global na quarta-feira para ver quanto da demanda por ração está sendo transferida para o trigo devido à disparada dos preços do milho, segundo relatório de Arlan Suderman, economista-chefe de commodities da StoneX.

Esteja sempre informado sobre as notícias que movem o mercado. Assine a EXAME.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.