James Cameron vai ao local mais profundo do oceano

Cineasta levará sua câmera ao fundo do mar com o objetivo de investigar o que esconde a Fossa das Marianas

Los Angeles – O cineasta americano James Cameron finaliza os detalhes de sua próxima aventura, um projeto no qual levará sua câmera ao fundo do mar com o objetivo de investigar o que esconde a Fossa das Marianas, informou nesta quinta-feira a rede de televisão ‘CNN’.

No final de março, Cameron, de 57 anos, deve embarcar em um minisubmarino rumo ao local mais profundo do oceano, a quase 11 mil metros de profundidade, uma viagem com fins científicos que fará sozinho e que prepara há mais de oito anos.

‘Há muitas coisas que não sabemos. Tenho a esperança que seremos capazes de estudar o oceano antes de destruí-lo’, afirmou o diretor de ‘Titanic’ e ‘Avatar’.

Caso chegue ao fundo da Fossa Marianas, a expedição de Cameron seria a segunda a conseguir tal façanha.

Até o momento apenas o batiscafo Trieste, pilotado pelo tenente de Marinha dos Estados Unidos Don Walsh e pelo explorador suíço Jacques Piccard, completou esse desafio em 1960.

O veículo que transportará o diretor de cinema a profundezas abissais foi batizado como ‘Deepsea Challenger’, tem espaço para um ocupante, está equipado com câmeras e braços robóticos e pode suportar uma pressão de mais de sete toneladas por cada meio milímetro de superfície.


O submarino, projetado e construído por Cameron e sua equipe de engenheiros em colaboração com a revista ‘National Geographic’, alcança uma velocidade na descida de 213 metros por minuto.

Na melhor das previsões, Cameron demoraria mais de 50 minutos para chegar ao fundo da Fossa das Marianas, situada ao leste das Ilhas Marianas, no sul do Pacífico.

O minisubmarino não possui ar condicionado e por isso o cineasta terá que suportar elevadas temperaturas na superfície – segundo suas próprias palavras, quando se fecha a escotilha, o navio é uma ‘sauna’ – e um ambiente gélido à medida que submergir e a água esfriar.

Esses contratempos, no entanto, não foram um obstáculo para a missão.

‘É muito emocionante, a cada segundo você vê algo lindo. Sempre há algo para fazer: ou está tirando fotografias ou vê peixes incríveis’, detalhou Cameron.

Estima-se que haja mais de 750 mil espécies marinhas que não foram formalmente catalogadas pela ciência, três vezes mais que as já conhecidas.

O interesse de James Cameron pelos fundos marítimos o levou no passado a realizar filmes como ‘O Segredo do Abismo’ (1989) no qual um grupo de cientistas encontrava vida extraterrestre nas profundezas do oceano, assim como a buscar os restos do Titanic (‘Last Mysteries of The Titanic’, 2005).

Para a seqüência de ‘Avatar’, Cameron deve levar a história também para o fundo do mar.