Esporte

Mercedes rara de fórmula 1 pilotada por Hamilton vai a leilão por R$ 51 milhões

Carro garantiu a 1ª vitória do piloto pela escuderia, no Grand Prix da Hungria de 2013. E é o único disponível no mercado; os outros da marca estão nas mãos da própria montadora ou do ex-chefe de equipe

Nomeado de acordo com seu chassi, W04, o carro venceu o Grande Prêmio da Hungria com Hamilton ao volante em 2013 (Hindustan Times /Getty Images)

Nomeado de acordo com seu chassi, W04, o carro venceu o Grande Prêmio da Hungria com Hamilton ao volante em 2013 (Hindustan Times /Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 5 de outubro de 2023 às 09h58.

O carro que Lewis Hamilton pilotou na sua primeira vitória na Fórmula 1 pela Mercedes será leiloado em 17 de novembro em um leilão da RM Sotheby's em Las Vegas.

Nomeado de acordo com seu chassi, W04, o carro venceu o Grande Prêmio da Hungria com Hamilton ao volante em 2013. É o único veículo da Mercedes da era moderna que não é de propriedade da Mercedes, do chefe da equipe e CEO Toto Wolff, ou de Hamilton, de acordo com a casa de leilões. A RM Sotheby's estima seu valor entre US$ 10 milhões e US$ 15 milhões (entre R$ 51,5 milhões e R$ 77,2 milhões).

- Este foi o carro com o qual Hamilton começou sua carreira. Há apenas um Mercedes de Lewis Hamilton em mãos particulares, então estamos falando de um carro raro. Você não vai encontrar outro igual, a menos que vá até Lewis Hamilton ou Toto Wolff - afirma Shelby Myers, chefe global de vendas privadas da RM Sotheby's.

O carro ganhou notoriedade como o último veículo da Mercedes F1 com um motor V-8 antes que a série passasse a exigir motores V-6 turbo menores e mais silenciosos. Ele foi anteriormente oferecido para venda pelo público pela Mercedes-Benz Classic em 2017.

Um porta-voz da RM Sotheby's se recusou a informar qual é o atual proprietário do veículo. Um porta-voz da Mercedes também se recusou a comentar a venda.

Carro pode bater recorde

Se o carro for vendido pelo valor estimado pela Sotheby's, baterá um recorde. O veículo de Fórmula 1 mais caro já leiloado foi também um Mercedes de um piloto lendário: o W196 de 1954 pilotado por Juan Manuel Fangio, que foi vendido por US$ 29,6 milhões (R$ 152 milhões) em um leilão da Bonhams em 2013.

Outro carro da marca, mas não de Fórmula 1, o Mercedes-Benz 300 SLR Uhlenhaut Coupé de 1955, foi vendido por US$ 142 milhões (R$ 731 milhões), o maior valor já pago por um veículo em leilão. E não foi por acaso: o cupê Uhlenhaut foi desenvolvido com base no carro de corrida W196 de Fangio - o DNA da Fórmula 1 está fortemente presente nas fileiras da Mercedes.

O interesse por carros de Fórmula 1 em leilões ganhou fôlego nos últimos anos. Em 2017, a Sotheby's vendeu o Ferrari F2001 vencedor do Grande Prêmio de Mônaco de Michael Schumacher por US$ 7,5 milhões (R$ 38,6 milhões), uma quantia que superou as estimativas na época.

Até 2022, outro Ferrari de Schumacher, um F2003-GA, foi vendido por quase US$ 15 milhões (R$ 77,2 milhões) em um leilão da Sotheby's em Genebra. Em abril, o Ferrari que Schumacher dirigiu para seu primeiro Campeonato Mundial de F1 foi vendido por cerca de US$ 9,5 milhões (R$ 48,9 milhões) em um leilão privado em Hong Kong.

Para muitos fãs de F1, Hamilton tem a mesma influência que Schumacher. O piloto britânico tem o mesmo número de vitórias no Campeonato Mundial de Fórmula 1 que Schumacher (sete) e é cavaleiro de sua terra natal.

Seus lucrativos contratos de patrocínio incluem IWC e Monster Energy. Em agosto, Hamilton assinou com a Mercedes, que o manterá na equipe até a temporada de 2025.

- Na era contemporânea, Lewis Hamilton é de longe o piloto mais influente, não apenas do ponto de vista das corridas, mas pelo que ele fez para transformar o esporte em termos de representatividade, cultura e moda - diz Myers.

- Ele não é apenas um piloto de sucesso, ele é uma personalidade, e acredito que sua reputação vai perdurar como alguém que mudou significativamente o esporte para melhor.

'Foi o início de uma grande dinastia'

Alguns compradores veem os antigos carros de F1 como símbolos de status, assim como uma obra produzida por um artista famoso, ou como uma lembrança de um momento histórico no esporte.

- Este carro foi o início da próxima grande dinastia na história da Mercedes, a era Lewis Hamilton-Toto Wolff - diz Myers. - É comparável a uma dinastia como o Golden State Warriors ou o Chicago Bulls.

A venda do Mercedes F1 W04 será no teatro Awakening, localizado no hotel Wynn Las Vegas, um dia antes da final do primeiro Grande Prêmio de Las Vegas. O evento de vários dias da F1 incluirá pacotes de hospitalidade de milhões de dólares, chefs celebridades e três noites consecutivas de apresentações com J Balvin, Major Lazer e Mark Ronson como principais atrações.

Durante a noite do leilão, serão oferecidos lotes que incluem a camisa do Tampa Bay Buccaneers de Tom Brady usada em seu último jogo na NFL, com um valor de venda estimado entre US$ 1,5 milhão (R$ 7,7 milhões) e US$ 2,5 milhões (R$ 12,87 milhões). Se for vendido dentro dessa faixa de preço, a camiseta usada por Brady quebrará o recorde atual da camiseta de futebol americano mais valiosa já vendida.

Esse recorde pertence à camisa do San Francisco 49ers que Joe Montana usou em dois Super Bowls e que foi vendida por US$ 1,2 milhão (R$ 6,18 milhões) no início deste ano

Acompanhe tudo sobre:Fórmula 1LeilõesCarros

Mais de Esporte

Alcaraz atropela Djokovic e é bicampeão de Wimbledon

Quanto vão ganhar os campeões e vices da Euro e Copa América?

Grêmio x Operário: onde assistir e horário pela Copa do Brasil

Guia das Olimpíadas de Paris 2024: tudo o que você precisa saber antes do início dos jogos

Mais na Exame