• AALR3 R$ 20,05 -0.10
  • AAPL34 R$ 69,93 2.21
  • ABCB4 R$ 16,76 0.60
  • ABEV3 R$ 14,31 0.70
  • AERI3 R$ 3,75 -0.79
  • AESB3 R$ 10,90 -0.18
  • AGRO3 R$ 31,71 0.86
  • ALPA4 R$ 22,48 1.40
  • ALSO3 R$ 19,60 3.98
  • ALUP11 R$ 26,24 -0.98
  • AMAR3 R$ 2,58 -0.39
  • AMBP3 R$ 32,31 -0.12
  • AMER3 R$ 21,90 1.86
  • AMZO34 R$ 3,42 1.18
  • ANIM3 R$ 5,52 -0.54
  • ARZZ3 R$ 82,73 1.80
  • ASAI3 R$ 15,97 -0.75
  • AZUL4 R$ 21,11 0.76
  • B3SA3 R$ 12,70 2.34
  • BBAS3 R$ 37,12 -0.91
  • AALR3 R$ 20,05 -0.10
  • AAPL34 R$ 69,93 2.21
  • ABCB4 R$ 16,76 0.60
  • ABEV3 R$ 14,31 0.70
  • AERI3 R$ 3,75 -0.79
  • AESB3 R$ 10,90 -0.18
  • AGRO3 R$ 31,71 0.86
  • ALPA4 R$ 22,48 1.40
  • ALSO3 R$ 19,60 3.98
  • ALUP11 R$ 26,24 -0.98
  • AMAR3 R$ 2,58 -0.39
  • AMBP3 R$ 32,31 -0.12
  • AMER3 R$ 21,90 1.86
  • AMZO34 R$ 3,42 1.18
  • ANIM3 R$ 5,52 -0.54
  • ARZZ3 R$ 82,73 1.80
  • ASAI3 R$ 15,97 -0.75
  • AZUL4 R$ 21,11 0.76
  • B3SA3 R$ 12,70 2.34
  • BBAS3 R$ 37,12 -0.91
Abra sua conta no BTG

Maradona compara morte de Fidel à de seus pais

Os dois se conheceram em um centro de saúde e se tornaram amigos
 (Paolo Bruno/Getty Images)
(Paolo Bruno/Getty Images)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 26/11/2016 13:27 | Última atualização em 26/11/2016 13:27Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Zagreb - O Centro Internacional de Salud La Pradera uniu para sempre duas das mais carismáticas figuras públicas latino-americanas contemporâneas. Foi lá que Diego Maradona se tratou da dependência de cocaína, em 2000, e onde conheceu Fidel Castro. A partir dali, os dois se tornariam amigos próximos e Maradona passaria a ser figurinha carimbada no país caribenho, onde morou por quatro anos.

Neste sábado, Maradona lamentou a morte do líder cubano, comparando a perda de Fidel à de seu pais. "Depois da morte dos meus velhos, essa é a maior dor. Porque quando na Argentina havia clínicas que me fecharam as portas, porque queriam a morte de Maradona, Fidel me abriu as portas de Cuba, de coração. O revolucionário número um foi Che, com Fidel na cabeça. Eu venho no pelotão de trás", afirmou, em entrevista ao canal fechado argentino Tyc Sports.

Mais de uma vez o craque argentino disse que só está vivo graças a Fidel, ainda que, no passado, a imprensa argentina tenha publicado reportagens dando conta de que Maradona consumia drogas mesmo dentro da clínica onde se recuperava em Cuba.

Hoje o ex-jogador se diz livre dos vícios. Ele está em Zagreb, torcendo pela Argentina na final da Copa Davis, de tênis, contra a Croácia. "É um dia horrível. Morreu o maior, o maior sem nenhuma dúvida. É muito chocante e muito terrível, porque ele foi como meu segundo pai", lembrou.

"Vivi quatro anos em Cuba e Fidel me chamava às duas da manhã para tomarmos um mojito e falarmos de política, ou de esportes, ou de qualquer coisa que acontecesse no mundo, e eu estava sempre disposto a falar. Essa é lembrança mais bonita que me resta", contou.

De acordo com Maradona, os dois não se viam há três anos. "Quando entrei, ele disse: 'Veio se despedir de mim, né?'. 'Não, maestro', respondi, gritando, porque ele me pegou de surpresa como se um saque do Del Potro tivesse acertado meu peito. Comecei a chorar, porque talvez ele tivesse mais razão do que eu."