Esporte

Da Série C a final da Sul-Americana: presidente do Fortaleza detalha os motivos da ascensão do clube

Em entrevista exclusiva para EXAME, Marcelo Paz destacou o trabalho extracampo e como clube subiu de patamar em cinco anos

Marcelo Paz: vejo que nós estamos vivendo o maior momento da história do clube (Matheus Amorim/Fortaleza EC/Reprodução)

Marcelo Paz: vejo que nós estamos vivendo o maior momento da história do clube (Matheus Amorim/Fortaleza EC/Reprodução)

Antonio Souza
Antonio Souza

Repórter da Home e Esportes

Publicado em 28 de outubro de 2023 às 04h00.

O Fortaleza entra em campo neste sábado, 28 para disputar a final da Sul-Americana contra a LDU, do Equador. Está será a primeira final continental da história do clube, após ascensão meteórica da Série C para competições internacionais.

Desde o acesso para a primeira divisão, em 2018, a equipe disputa a elite do futebol brasileiro pelo quinto ano consecutivo. Nos últimos cinco anos, o time também consolidou uma hegemonia regional. Foram cinco títulos consecutivos do Campeonato Cearense e duas Copas do Nordeste. Na temporada de 2021, o Fortaleza terminou a competição na quarta colocação do Campeonato Brasileiro, o que permitiu uma vaga direta na Copa Libertadores da América, feito inédito na história do clube. No mesmo ano, a equipe também foi semifinalista da Copa do Brasil. Em 2022, o Tricolor avançou da primeira fase da Libertadores e disputou as oitavas de finais do torneio, outra façanha inédita.

O sucesso no campo acompanhou cifras recordes para o clube. Nos últimos cinco anos, o Fortaleza aumentou sua receita em mais de 1.100%. Em 2017, no início da gestão do atual presidente, temporada em que o Leão disputava a Série C, o faturamento foi de R$ 24 milhões. Já em 2022, com o clube consolidado na elite do futebol brasileiro, este número saltou para mais de R$ 267 milhões. A receita operacional bruta alcançada no ano passado, inclusive, foi a maior da história do Nordeste. O valor superou as próprias expectativas do Fortaleza, que projetava R$ 141 milhões no orçamento.

Em entrevista à EXAME, Marcelo Paz destacou o trabalho extracampo, como clube subiu de patamar nos últimos anos e os planos de SAF; confira:

Como você vê esse momento atual do Fortaleza? Clube que estava na Série C a três anos atrás e hoje disputa uma final continental

Vejo que nós estamos vivendo o maior momento da história do clube. Eu vivi a Série C do Fortaleza como torcedor e cheguei à gestão do clube também naquele momento quando estava subindo para a Série B, então poder acompanhar toda essa evolução, com o apoio de todos que fazem parte do grupo, é de um orgulho sem tamanho. Hoje, somos o primeiro clube do Nordeste no Ranking Nacional de Clubes da CBF e temos sido o melhor nordestino na Série A, que também é algo muito significativo. Sabemos como a região do Nordeste tem grandes equipes e nos deixa muito feliz também representar o futebol nordestino dessa maneira.

Você acredita que hoje o Fortaleza é um modelo de gestão para os clubes brasileiros?

Já recebemos muitos feedbacks positivos em relação a isso e é algo que nos deixa muito felizes. Todo esse nosso trabalho é feito por uma diretoria compromissada e remunerada - é muito importante ressaltar isso - e trabalhamos com metas e objetivos, planejamento estratégico e apoio de muitas pessoas que fazem parte do Fortaleza. Acredito que é um bom mérito que temos no clube, de reunir mentes brilhantes e qualificadas. Mas temos buscado ser melhor a cada momento dentro da nossa gestão, não podemos nos acomodar, temos sempre que querer evoluir.

O que você destaca nesse crescimento do clube nos últimos seis anos?

Acho que o ponto principal é uma gestão eficaz, e isso reflete dentro de campo. Fora, também destaco o trabalho de transparência que temos, o que nos levou a crescer nestes seis anos. Acreditar no comando técnico, em ter treinadores longevos com o Rogério Ceni e o Vojvoda atualmente, em priorizar a questão financeira com o salário em dia, os atletas sabem do compromisso dentro de campo e que no final do mês a remuneração vai estar lá, isso atrai e retém talentos. São comportamentos fundamentais nessa nossa trajetória

É uma grande evolução em pouco tempo, estamos falando de um salto de R$ 24 milhões em 2017 para uma previsão de R$ 300 milhões em 2023, mas tudo construído ano após ano. Uma gestão eficaz que reflete dentro de campo, uma comissão técnica que acompanha a mesma filosofia, uma equipe determinada a evoluir e crescer com o time e o apoio importante da nossa torcida são fatores essenciais que nos levaram a ver um crescimento em todos os aspectos, como no programa de sócio torcedor, na parte comercial e de patrocínio, por exemplo.

Com a provação da SAF do clube, como você acredita que isso possa turbinar as receitas e se isso dará uma projeção ainda maior

Quando falamos em SAF, falamos sobre algumas possibilidades que a legislação traz que contribui bastante na gestão do clube, desde melhorias na governança do grupo até viabilização de operações financeiras, por exemplo. Então, isso foi muito estudado para que pudéssemos aproveitar algumas alternativas que a lei permite. Consequentemente, com um caminho mais amplo, vemos uma projeção muito grande. Por mais que tenhamos crescido muito nestes últimos anos, o Fortaleza tem um potencial de crescimento incrível.

Acompanhe tudo sobre:FutebolFortalezaCopa Sul-Americana

Mais de Esporte

Jogos de quinta, 18 de julho de 2024, onde assistir ao vivo e horários

Ginastas dos EUA estabelecem recorde de cristais em collants

Goleiro do Barcelona-EQU morre aos 20 anos; saiba se jogo contra o RB Bragantino será adiado

Paris não vê 'boom' de turistas por causa das Olimpíadas

Mais na Exame