Tecnologia

Fenômeno Locaweb: como a desacreditada empresa se tornou a queridinha na bolsa

A empresa de tecnologia abriu capital há um ano e já quintuplicou seu valor de mercado. Agora o plano é captar mais dinheiro

Os números não mentem: a Locaweb foi a maior surpresa da bolsa em 2020. Um ano após estrear na B3, a empresa de tecnologia acumula alta exorbitante. As ações do ticker LWSA3 já acumulam alta de 462%. O percentual fez com que a Locaweb aumentasse seu valor de mercado em mais de cinco vezes, passando a valer mais de 14,7 bilhões de reais. A cifra é considerável. Empresas de tecnologia mais tradicionais como Totvs e Linx valem 17 bilhões e 7,2 bilhões de reais respectivamente na bolsa. Mas o que explica este desempenho invejável e que contraria as previsões de gurus do mercado financeiro que consideravam a oferta pública inicial de ações (IPO) da empresa um movimento arriscado para investidores?

Conheça as empresas novatas mais promissoras da bolsa brasileira. Leia os relatórios da EXAME Research

A resposta para essa pergunta pode ser dada de muitas formas. Mas todas podem ser resumidas no trabalho realizado pela companhia no período pré e pós abertura de capital. Muitos meses antes de badalar os sinos da B3, a rotina do empresário Fernando Cirne, que lidera a Locaweb desse 2018, já havia mudado drasticamente. E não por causa da pandemia do novo coronavírus.  “Gastei muito tempo junto com os investidores. Explicando o que realmente era a Locaweb e como ela funcionava”, afirma. “Era preciso realizar um trabalho de dentro para fora.”

Fernando Cirne: o presidente da Locaweb precisou mudar sua rotina para preparar a empresa para o IPO

Fernando Cirne: o presidente da Locaweb precisou mudar sua rotina para preparar a empresa para o IPO (Leandro Fonseca/Exame)

Era um trabalho necessário. Antes do IPO, analistas do mercado financeiro mostravam receio em apostar na companhia. “Estimamos que a Locaweb seja uma empresa que lucra 15 milhões de reais e queira ser avaliada em 2 bilhões de reais”, avaliou Tiago Reis, fundador da Suno Research, em relatório do ano passado. A crítica estava em relação ao elevado preço da faixa indicativa, entre 14,25 e 17,25 reais. A venda das ações do fundo Silver Lake e de outros acionistas, com os fundadores Claudio Gora e Gilberto Mautner e os sócios Michael Gora e Ricardo Gora, também preocupou. “Que apetite dos controladores em vender, não? Como potencial acionista, eu não gosto da sinalização”, escreveu em relatório Ricardo Schweitzer, fundador e analista da Nord Research, também no ano passado.

Conseguir falar o que os acionistas queriam ouvir não foi um golpe de sorte. “A primeira coisa que a gente fez, um ano antes da abertura de capital, foi estruturar a empresa”, diz Cirne. A companhia contratou um time de executivos que chegaria para comandar áreas específicas da empresa. “Fizemos um pente fino na área de diretores”, afirma. Em outra instância, a Locaweb impulsionou o trabalho de governança corporativa, já que precisaria ser mais transparente do que nunca aos olhos mais atentos de órgãos reguladores e, claro, dos investidores, grandes ou pequenos.

Os discursos de Cirne se baseavam nos pontos mencionados no prospecto de abertura de capital enviado à Comissão de Valores Mobiliários ainda em 2019. A intenção da empresa, conforme informava, era de investir uma parte minoritária dos recursos captados, 26%, no pagamento de dívidas já existentes e também utilizar como capital de giro. O restante, 74%, seria alocado em aquisições que a companhia pretendia fazer a partir de 2020 para fortalecer, principalmente, a sua área de e-commerce. A companhia previa a necessidade de impulsionar o comércio eletrônico, o que foi acelerado na pandemia e tornando as compras online mais necessárias do que nunca.

Com dinheiro em caixa, a Locaweb foi às compras. Em menos de um ano, a empresa desembolsou uma quantia acima de 340 milhões de reais. O valor corresponde a mais da metade dos 575 milhões de reais captados e a 80% da quantia que a Locaweb planejava gastar com aquisições (algo em torno de 422 milhões de reais). No carrinho de compras estão seis startups: Social Miner, Etus, Vindi, Ideris, Melhor Envio e ConnectPlug.

O destaque da lista vai para a Vindi, que custou mais de 180 milhões de reais. Juntas, as startups adicionam à Locaweb uma receita recorrente de 107 milhões de reais. “Fiz o IPO e peguei dinheiro para fazer aquisições. Agora é preciso entregar”, diz Cirne. A lista deve ficar ainda maior, já que existem conversas em andamento para a compra de outras sete empresas.

Uma dessas aquisições pode ser a RD Station. A Locaweb foi ventilada como uma potencial interessada na compra da startup que atua com marketing digital e tem 20.000 clientes. Fundada em 2011, a RD Station já captou mais de 76 milhões de dólares em aportes. São números que fazem dela uma candidata a unicórnio (quando uma empresa atinge valuation de 1 bilhão de dólares) e que também tornam o negócio mais complicado. A Locaweb precisaria gastar mais do que pretendia inicialmente, já que o negócio poderia movimentar algo próximo de 1 bilhão de reais. E o valor pode ficar ainda maior caso a Totvs, também apontada como uma interessada, decida entrar na disputa.

Para realizar a compra da RD, ou de qualquer empresa que exija um investimento mais parrudo, a Locaweb precisaria de mais dinheiro. Nos bastidores, se especulava que a companhia iria propor aos acionistas um plano para ampliar o capital autorizado de 2 bilhões para 5 bilhões de reais, um passo fiscal que precisa ser aprovado em reunião do conselho. Cirne não comenta os rumores, mas não nega que poderia recorrer ao mercado para uma nova captação caso precise de dinheiro para comprar mais empresas. “Se a Locaweb em algum momento continuar fazendo aquisições e precisar de financiamento, pode sim captar mais dinheiro no mercado”, afirma Cirne. “Neste momento, temos dinheiro em caixa e estamos confortáveis”.

Mas este conforto durou pouco. No fim de janeiro, a Locaweb realizou dois movimentos. Primeiro, o desdobramento de quatro para um de suas ações que já beiravam 100 reais cada uma. Segundo, informou que iria realizar uma oferta secundária (follow on) de uma base de 68 milhões de ações. Os papéis serão precificados na terça-feira, 9 de fevereiro. Se as ações forem vendidas pelo preço do fechamento de sexta-feira (5), 29,96 reais cada uma, o movimento pode fazer com que a Locaweb arrecade mais 2 bilhões de reais. A cifra pode saltar para mais de 2,7 bilhões de reais com a comercialização de lotes adicionais de ações.

"A Locaweb fez sua oferta pública inicial e a ação subiu muito. Mas não fizemos isso apenas para pegar dinheiro e dar liquidez para os acionistas."

Fernando Cirne, presidente da Locaweb

É um movimento que gera ainda mais expectativa em relação às empresas de tecnologia já listadas na bolsa ou que pretendem realizar ofertas públicas iniciais em 2020. Mais recentemente, dinossauros como Mosaico e Intelbras também entraram na dança do mercado de capital aberto. Não será fácil repetir o sucesso da Locaweb. “Trata-se de uma empresa que entrou e entregou. E eu me sinto pressionado para continuar entregando. O meu chefe é o acionista”, diz Cirne. Para o executivo, o sucesso recente gera apenas uma pressão para as novas entrantes, que agora vão precisar realizar trabalhos impecáveis para ganhar a confiança dos investidores tal como a Locaweb.

O plano da Locaweb parece simples: apostar no que já está dando certo: governança e aquisições. “A Locaweb fez a oferta pública inicial e a ação subiu muito. Mas não fizemos isso apenas para pegar dinheiro e dar liquidez para os acionistas”, diz Cirne. Os negócios cresceram além do que os monitores da B3 indicam. Somente no 3º trimestre do ano passado, a receita saltou quase 24% no terceiro trimestre de 2020 para 126,7 milhões de reais e o lucro líquido aumentou mais de 30% para 7,8 milhões de reais. Se a estratégia vai vingar ou não, é impossível saber. Mas certo é que a Locaweb começa o seu segundo ano de Bolsa com olhares bem diferentes do que os recebidos há um ano.