• BVSP 121.909,03 pts -0,1%
  • USD R$ 5,2253 +0,0011
  • EUR R$ 6,3421 -0,0002
  • ABEV3 R$ 16,65 +2,71%
  • BBAS3 R$ 30,3 +1,20%
  • BBDC4 R$ 24,61 +2,29%
  • BRFS3 R$ 21,53 +1,99%
  • BRKM3 R$ 51,4 -1,57%
  • BRML3 R$ 10,66 +0,47%
  • BTOW3 R$ 59,75 -4,37%
  • CSAN3 R$ 21,95 -1,22%
  • ELET3 R$ 37,1 -1,85%
  • EMBR3 R$ 16,6 -2,30%
  • Petróleo US$ 68,34 +0,09%
  • Ouro US$ 1.836,00 -0,03%
  • Prata US$ 27,39 +0,00%
  • Platina US$ 1.251,10 -0,10%

Uma das maiores traders de soja do mundo diz não ao desmatamento

A chinesa Cofco, em parceria com o Banco Mundial, fará triagem de fornecedores na região do Matopiba, que compreende 4 estados brasileiros

O cerco ao desmatamento começa a se fechar pelo lado dos compradores. A Cofco International, trader ligada grupo Cofco Corporation, maior empresa de alimentos da China, anunciou hoje uma iniciativa abrangente para eliminar desmatadores de sua cadeia de fornecimento no Brasil. A meta é ter 85% das fazendas rastreadas até o ano que vem e 100% até 2023 na região do Matopiba, que compreende os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. 

A região é a que mais cresceu, no últimos anos, em plantio de grãos. É também onde se concentra a maior parte da conversão de terras para produção de soja no Cerrado. O bioma vinha sendo poupado do desmatamento, mas, desde o ano passado, voltou a fazer parte das estatísticas. 

O projeto da Cofco conta com apoio da International Finance Corporation, braço de financiamento privado do Banco Mundial, que é acionista da trader. As fazendas de soja brasileiras passarão por uma triagem cujo objetivo é verificar se há casos de trabalho escravo na propriedade, se a plantação está localizada em área indígena ou unidades de conservação e se os produtores estão em conformidade com a Moratória da Soja, pacto assinado pelos produtores brasileiros, em 2006, se comprometendo a não comercializar soja proveniente de áreas desmatadas do Bioma Amazônia

Para realizar a triagem, a Cofco irá utilizar sobreposições de mapas de fazendas e imagens de satélite, além de dados do Cadastro Ambiental Rural (CAR), que também cruza dados geoespaciais de propriedades rurais com mapas ambientais. A expectativa é que a avaliação atinja 85% dos fornecedores diretos e indiretos até 2020, e 100% até 2023. 

A imagens de satélite serão fornecidas pela Agrosatélite, empresa brasileira especializada em sensoriamento remoto e inteligência geográfica.

Guerra ao desmatamento 

Uma série de compradores de commodities agrícolas vem anunciando medidas para evitar fornecedores ligados ao desmatamento. Na semana passada, a Marfrig, segundo maior frigorífico do País, anunciou um compromisso para rastrear a origem de todo o gado que abate, até 2025. Para isso, deve investir cerca de 500 milhões de reais em 10 anos, sendo a maior parte nos próximos 5. O monitoramento também vai incluir os fornecedores diretos e os indiretos. 

Em outra frente, a alemã Bayer  passará a recompensar agricultores no Brasil pelo carbono gerado por meio de práticas agrícolas sustentáveis. Foram selecionados 500 produtores, a maioria de soja e milho, em 14 estados. Parte deles poderá vender os créditos de carbono para a Bayer, que pagará preço de mercado.

Investidores também estão pressionando o agronegócio brasileiro. O grupo sueco Nordea Asset Management, que conta com 220 bilhões de euros sob gestão, decidiu excluir a empresa de carnes JBS de todos os fundos que administra. A decisão se deu após um período de conversas entre o Nordea e a empresa brasileira, em que questões relativas ao meio ambiente e à governança corporativa não foram respondidas a contento.

Governo sob pressão

Ao mesmo tempo, empresários brasileiros pressionam o governo para tomar medidas contra o desmatamento. Na terça-feira 28, um grupo de empresários se reuniu com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, para tratar de temas ambientais, como a regularização fundiária e a criação de um mercado de carbono no País. 

O encontro foi organizado pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds), mesmo grupo que se reuniu, há duas semanas, com o vice-presidente Hamilton Mourão para cobrar ações do governo contra o desmatamento. Os empresários saíram otimistas da conversa com Mourão.

Esses encontros com o poder público foram motivados por uma carta, assinada por mais de 60 empresas, entre elas 15 das 20 maiores companhias brasileiras, pedindo providências contra a destruição da Amazônia. No documento, os empresários se mostraram preocupados com a repercussão da política ambiental brasileira no exterior.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.