Tello, da Ambipar, em NY: empresas brasileiras podem ser protagonistas na agenda ambiental

Rafael Tello, diretor de sustentabilidade da Ambipar, vistou a bolsa de Nova York e falou à EXAME sobre a estratégia da empresa
Rafael Tello, diretor de sustentabilidade da Ambipar na bolsa de Nova York (Leandro Fonseca/Exame)
Rafael Tello, diretor de sustentabilidade da Ambipar na bolsa de Nova York (Leandro Fonseca/Exame)
M
Marina Filippe

Publicado em 30/09/2022 às 16:15.

Última atualização em 30/09/2022 às 16:27.

Dois anos após o IPO, a empresa de soluções para práticas ambientais Ambipar segue apresentando seu trabalho para outras companhias, possíveis clientes e investidores. Em uma agenda em Nova York em setembro, Rafael Tello, diretor de sustentabilidade do Grupo Ambipar, participou de eventos como o lançamento Conexão Circular, movimento do Pacto Global da ONU no Brasil, assim como de uma entrevista na Bolsa de Valores de Nova York, a NYSE.

Em entrevista à EXAME, o executivo explicou a agenda e as estratégias. "Fomos conviados para falar num programa televisivo da bolsa de NY e apresentar a Ambipar para os investidores e analistas americanos. É um orgulho estar no centro do capitalismo internacional. Apresentamos os nossos negócios e como estamos desenvolvendo a agenda ESG [sigla em inglês para ambiental, social e governança]".

De acordo com Tello, mostrar em Nova York o trabalho da Ambipar é uma chance de colocar o Brasil — e a empresa — como protagonista da agenda ambiental. "A importância da gente estar aqui é mostrar que o Brasil tem intenção positiva na agenda ambiental. Temos uma série de empresas com capacidade de promover a agenda de sustentabilidade", afirma.

Economia circular

A Ambipar tem o propósito de estar na liderança da transição para a economia circular e de baixo carbono. Assim, a companhia desenvolve a agenda com novidades como o Movimento Conexão Circular. "A intenção é acelerar o que já fazemos, como a gestão dos resíduos de clientes para transformar esse material em novos produtos na cadeia produtiva. Queremos ajudar as empresas a terem uma visão sistêmica da economia circular, encarando isto como parte essencial para os negócios".

De acordo com Tello, o avanço é possível por meio de parcerias com universidades como USP e Mackenzie, além do Pacto Global da ONU no Brasil. "O Pacto realiza movimentos para a Ambição 2030 e é fundamental para engajar as organizações".