Starbucks planeja reduzir emissões de carbono de seus cafés

A companhia está oferecendo ferramentas a produtores rurais com objetivo de reduzir o uso de fertilizantes e fala em compra de créditos de compensação; meta é armazenar mais carbono do que emite nos próximos anos
Starbucks: rede de cafeterias quer reduzir sua pegada de carbono (marcopako/Creative Commons)
Starbucks: rede de cafeterias quer reduzir sua pegada de carbono (marcopako/Creative Commons)
Por Isis Almeida, da BloombergPublicado em 22/03/2021 16:19 | Última atualização em 13/04/2021 18:05Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A Starbucks estabeleceu metas para reduzir as emissões de carbono e conservar a água na produção do café que compra dos agricultores já que busca atingir sua meta de armazenar mais carbono do que emite.

A empresa tomará medidas incluindo a distribuição de árvores resistentes ao clima, trabalho com os produtores para reduzir o uso de fertilizantes e restauração de florestas em risco nas principais áreas de café. Também pode comprar compensações de carbono para diminuir a diferença em áreas onde não pode reduzir as emissões, garantindo que os suprimentos de café não torrado sejam neutros em carbono até 2030. Também planeja conservar 50% da água na produção de café até lá.

Consumidores com consciência sustentável estão cada vez mais preocupados com o impacto social e ambiental de sua cesta de compras, exigindo mais informações sobre a origem de seus alimentos e se foram cultivados de forma ética. A Starbucks disse no ano passado que queria se tornar uma empresa de recursos positivos, sequestrando mais carbono do que emite.

“Eu expressaria agora um senso de urgência,” Michelle Burns, vice-presidente sênior global de café, chá e cacau, disse em entrevista.

A Starbucks está fornecendo aos produtores ferramentas usadas na agronomia de precisão baseadas em dados de solo e folhas com o objetivo de diminuir o uso de fertilizantes e, como resultado, reduzir as emissões de carbono. Também continuará a distribuir árvores resistentes ao clima e a trabalhar para proteger e restaurar as florestas em risco nas principais áreas cafeeiras.

A empresa também investirá em estratégias de inserção para lidar com suas emissões residuais, ou seja, aquelas que não podem ser reduzidas até 2030. Isso pode incluir a compra de compensações de carbono de “alta qualidade”.

Medir as emissões do café é uma área nova e os estudos variam muito em seus resultados, dependendo de quando e onde foram realizados. Embora a Starbucks ainda não tenha uma imagem completa de como atingirá sua meta para 2030, ela espera que mais soluções surjam durante o processo, seguindo o mesmo caminho de seu projeto de sustentabilidade.

“Em 2004, também não tínhamos todas as respostas”, disse ela, referindo-se ao projeto de sustentabilidade da empresa.