• BVSP 119.369,19 pts +0,5%
  • USD R$ 5,6662 -0,0675
  • EUR R$ 6,7666 -0,0638
  • ABEV3 R$ 15,71 +1,29%
  • BBAS3 R$ 29,57 +0,07%
  • BBDC4 R$ 25,61 -0,43%
  • BRFS3 R$ 24,41 -0,29%
  • BRKM3 R$ 46,81 +0,11%
  • BRML3 R$ 9,69 -1,22%
  • BTOW3 R$ 66,79 +5,51%
  • CSAN3 R$ 89,98 -0,02%
  • ELET3 R$ 34,72 -0,06%
  • EMBR3 R$ 15,74 -1,93%
  • Petróleo US$ 63,78 +0,93%
  • Ouro US$ 1.747,00 +0,83%
  • Prata US$ 25,45 +2,48%
  • Platina US$ 1.160,20 -1,25%

Reino Unido busca banir produtos ligados ao desmatamento ilegal

Projeto de lei torna ilegal a venda de carne bovina, soja e outras commodities importantes originadas em terras protegidas pela legislação local

O Reino Unido deu um passo para impedir que supermercados e restaurantes vendam produtos associados ao desmatamento ilegal, parte da iniciativa de colocar políticas de proteção ao meio ambiente no foco da agenda do primeiro-ministro Boris Johnson.

Você conhece as três letras que podem turbinar seus investimentos? Conheça a cobertura de ESG da EXAME Research 

O projeto de lei do meio ambiente em trâmite no Parlamento torna ilegal a venda por empresas que operam no Reino Unido de carne bovina, soja e outras commodities importantes originadas em terras protegidas pela legislação local. As medidas visam ajudar a proteger florestas em regiões como a bacia do rio Amazonas.

“Nossa nova lei de diligência prévia é peça de um pacote muito maior de medidas que estamos implementando para combater o desmatamento”, disse o ministro do Meio Ambiente Internacional, Lord Zac Goldsmith, em comunicado divulgado na quarta-feira em Londres.

A decisão do Departamento de Meio Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais (Defra, na sigla em inglês) pareceu não atender o apelo de supermercados e organizações ambientais para que as regras fossem ainda mais rígidas do que as propostas.

McDonald’s, Tesco e Nestlé estavam entre 21 empresas que no mês passado pediram ao Defra para ampliar os planos além das leis locais. As empresas disseram que a lei precisa ser aplicada a todo o desmatamento, não apenas onde foi definido como ilegal em países individuais.

Respondendo às notícias, Jason Tarry, responsável pela Tesco no Reino Unido e na Irlanda, disse que as regras são “um primeiro passo importante para a criação de condições equitativas”.

Separadamente, os ministros também foram alertados na quarta-feira que estão longe de cumprir as metas ambientais de longo prazo, estabelecidas há nove anos.

O Escritório Nacional de Auditoria, órgão fiscalizador de gastos do governo, disse que não está claro como o Reino Unido cumprirá a meta de ser a primeira geração a deixar o meio ambiente em estado melhor do que o herdado.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.