Queima de carvão para geração de energia a caminho de recorde

O mercado mundial deve gerar mais eletricidade a partir do carvão este ano do que nunca, um sinal dos desafios da transição energética no combate à mudança climática
 (Getty Images/Getty Images)
(Getty Images/Getty Images)
T
Todd Gillespie, da Bloomberg

Publicado em 19/12/2021 às 15:05.

Última atualização em 23/12/2021 às 15:46.

O mercado mundial deve gerar mais eletricidade a partir do carvão este ano do que nunca, um sinal dos desafios da transição energética no combate à mudança climática.

Empresas e instituições financeiras bilionárias estão em busca de profissionais de ESG. Saiba como entrar neste mercado na série Jornada Executivo de Impacto, inscreva-se aqui.

A geração de energia com o combustível, considerado o mais poluente, tende a subir 9% em relação ao ano passado, de acordo com relatório da Agência Internacional de Energia divulgado na sexta-feira. Essa reversão em relação à queda vista nos dois anos anteriores ameaça a trajetória mundial de zerar emissões líquidas até 2050, disse a agência.

EUA e União Europeia registram os maiores aumentos no uso de carvão, cerca de 20% cada, seguidos pela Índia, com 12%, e China - o maior consumidor mundial - com 9%, estimou a AIE. A demanda por carvão tem sido impulsionada pela recuperação econômica dos efeitos da pandemia de Covid-19, que não consegue ser atendida no mesmo ritmo por fontes de energia de baixo carbono.

“O carvão é a maior fonte de emissões globais de carbono, e o nível historicamente alto de geração de energia a carvão deste ano é um sinal preocupante de quão longe o mundo está em seus esforços para reduzir as emissões para zero”, disse o diretor executivo da AIE, Fatih Birol.

Os preços recordes do gás natural aumentaram a dependência de outras fontes como o carvão e ampliaram as demandas por investimentos mais rápidos em energias renováveis. Os preços da energia na Europa mais do que triplicaram nos últimos seis meses e ficou mais rentável queimar carvão do que gás. Ainda assim, concessionárias de energia disputam a commodity, mesmo com o aumento da produção da China e dos EUA.

Agora, as emissões de dióxido de carbono provenientes do carvão em 2024 devem somar pelo menos 3 bilhões de toneladas a mais do que em um cenário de zero líquido em 2050, disse o relatório.

A AIE espera que o pico do carvão ocorra no próximo ano, de 8,11 bilhões de toneladas, com os maiores aumentos da produção da China, Rússia e Paquistão.

Quer ser disputado por multinacionais e instituições financeiras bilionárias? Descubra como na série Jornada Executivo de Impacto, inscreva-se aqui.

(Bloomberg/Bloomberg)