ESG

Apoio:

logo_suvinil_500x252
Logo TIM__313x500
logo_unipar_500x313
logo_espro_500x313
logo_engie_500X252

Parceiro institucional:

logo_pacto-global_100x50

Qual a importância das usinas hidrelétricas nos dias de hoje? Especialistas respondem

Na visão de executivos da PSR, hidrelétricas facilitaram a entrada de outras usinas renováveis no Brasil e podem contribuir para a transição energética

Um dos maiores obstáculos à inserção dessas fontes renováveis é o seu caráter sazonal, marcante no caso da biomassa, e intermitente, peculiar a eólicas e solares.  (AscentXmedia/Getty Images)

Um dos maiores obstáculos à inserção dessas fontes renováveis é o seu caráter sazonal, marcante no caso da biomassa, e intermitente, peculiar a eólicas e solares. (AscentXmedia/Getty Images)

Publicado em 27 de maio de 2024 às 16h12.

Última atualização em 6 de junho de 2024 às 15h34.

A partir da década de 1970, o crescimento populacional e a expansão da economia impulsionaram a demanda energética mundial. Em função da grande disponibilidade de água e das características de seus rios, a solução encontrada no Brasil para o atendimento à demanda priorizou a implantação de usinas hidrelétricas, que chegaram a representar 95% da nossa matriz elétrica.

Desde então, o encarecimento dos combustíveis fósseis e a crescente preocupação com as mudanças climáticas vêm levando a um incentivo mundial por fontes renováveis.

A partir de grandes avanços tecnológicos, redução de custos e potencial disponível, o país diversificou as fontes de produção de energia com biomassa de cana, eólica e solar.

Um dos maiores obstáculos à inserção dessas fontes renováveis é o seu caráter sazonal, marcante no caso da biomassa, e intermitente, peculiar a eólicas e solares.

No Brasil, felizmente, as fontes são complementares: no período de estiagem, com menor produção hidrelétrica, venta mais no Nordeste, incrementando a produção eólica. Essa, por sua vez, tende a ser mais noturna, o que complementa a produção solar.

Os desafios da transição energética

A combinação de fontes é ainda mais bem aproveitada porque temos uma rede elétrica única e um ambiente regulatório efetivo para a expansão dessa rede via os leilões de novas linhas de transmissão.

O maior desafio para os EUA na transição energética, por exemplo, é conseguir conectar as redes regionais para integrar as renováveis. Aqui, outra vantagem comparativa é conseguir utilizar os reservatórios das hidrelétricas para equilibrar produção e consumo, assegurando a continuidade do fornecimento de energia.

Diante das metas de descarbonização, o planejamento da expansão deveria voltar a considerar seriamente a fonte hidráulica, não só pelos citados benefícios ao setor elétrico, mas também aos demais usos da água, como irrigação, transporte fluvial, controle de cheias e recreação.

Para isso, será necessário iniciar um diálogo transparente, construtivo e, sobretudo, racional sobre o papel das hidrelétricas no Brasil. Como diz a Ministra Marina Silva: “Não basta dizer o que não pode fazer. É preciso criar o como pode ser feito”.

Acompanhe tudo sobre:branded-contentEnergia renovávelPSR Energia em foco

Mais de ESG

Bromélia da Amazônia pode ser alternativa ao plástico do petróleo

Bruno Gagliasso é novo sócio da startup Mara, de alimentação a preço acessível

Redes de pesca, roupas e pneus: expedição quer identificar os microplásticos presentes nos oceanos

Trauma climático, capital e investimento privado

Mais na Exame