ESG
Acompanhe:

Petrobras terá unidade dedicada à produção de BioQAV e diesel 100% renovável

A nova planta será instalada na Refinaria Presidente Bernardes (RPBC), em Cubatão (SP), com capacidade de produzir 6 mil barris por dia (bpd) de BioQAV e 6 mil bpd de diesel 100% renovável

O projeto integra o Programa de BioRefino da companhia e está no Plano Estratégico para o período de 2023-2027 (Getty Images/Getty Images)

O projeto integra o Programa de BioRefino da companhia e está no Plano Estratégico para o período de 2023-2027 (Getty Images/Getty Images)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 2 de dezembro de 2022, 13h28.

A Petrobras informou nesta sexta-feira, 2, que implantará, em Cubatão (SP), a primeira unidade do País inteiramente dedicada à produção de diesel 100% renovável e de bioquerosene de aviação (BioQAV), um tipo de combustível sustentável de aviação.

O projeto integra o Programa de BioRefino da companhia e está no Plano Estratégico para o período de 2023-2027, que receberá investimentos de US$ 600 milhões para o desenvolvimento de uma nova geração de combustíveis sustentáveis, com menor pegada de carbono.

Em nota, a estatal diz que o diesel renovável e o BioQAV têm potencial de redução de emissões de gases de efeito estufa entre 55 % e 90 % em relação aos combustíveis derivados de petróleo, pois são oriundos de matérias-primas renováveis (como óleo vegetal e gorduras de origem animal).

A nova planta será instalada na Refinaria Presidente Bernardes (RPBC), em Cubatão (SP), com capacidade de produzir 6 mil barris por dia (bpd) de BioQAV e 6 mil bpd de diesel 100% renovável a partir do processamento de até 790 mil toneladas/ano de matéria-prima renovável.

Segundo a empresa, a RPBC foi escolhida para abrigar a nova unidade em razão da proximidade com o mercado da região Sudeste e da maior integração com o parque do refino nacional.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

"A nova planta é um dos destaques do nosso Programa de BioRefino crucial para entregarmos produtos com menores emissões de gases de efeito estufa, em linha com as demandas da sociedade e com um mundo em transformação. Além da planta dedicada de biorrefino, vamos investir no coprocessamento de diesel com conteúdo renovável em outras refinarias e na produção de outros derivados com matéria-prima vegetal", destaca na nota o diretor de Refino e Gás Natural da Petrobras, Rodrigo Costa.

Conforme a Petrobras, haverá a expansão do coprocessamento para produção de Diesel R — com conteúdo renovável — na Refinaria Presidente Getúlio Vargas (REPAR), no Paraná, e início do coprocessamento para produção de Diesel R nas refinarias Presidente Bernardes, em Cubatão (RPBC) e Refinaria de Paulínia (REPLAN), ambas em São Paulo, e na Refinaria Duque de Caxias (REDUC), no Rio de Janeiro.

O diesel renovável é o primeiro combustível da nova geração de produtos mais sustentáveis que a companhia começa a ofertar ao mercado consumidor. "Já testamos o diesel renovável em frota de ônibus em Curitiba e os resultados confirmam as duas grandes vantagens deste produto: a redução das emissões e a sua característica drop in, ou seja, é um produto que pode ser usado nos sistemas projetados para óleo diesel, sem necessidade de qualquer modificação nos motores e nos equipamentos", afirma o diretor de Comercialização e Logística da Petrobras, Cláudio Mastella.

A Petrobras ressalta que a nova geração de bioprodutos, mais modernos, tem papel relevante no atendimento das metas de redução de emissões dos segmentos rodoviários e de aviação civil do país.

O diesel renovável e o BioQAV são isentos de oxigênio, o que lhes confere qualidade superior e maior estabilidade. Além disso são livres de enxofre e de outros contaminantes, contribuindo para seu melhor desempenho. A nova unidade produzirá também nafta verde, produto de interesse do segmento petroquímico para produção de plásticos renováveis.

LEIA TAMBÉM:

Petrobras: como o passado de perdas de R$ 100 bi pesa sobre o futuro estratégico

Petrobras (PETR4) promete continuidade com plano estratégico, mas mercado segue desconfiado