ONU fala em 'catástrofe' após indicadores climáticos baterem recordes

Concentrações de gases do efeito estufa, o aumento do nível do mar, o conteúdo de calor dos oceanos e a acidificação dos oceanos "registraram valores sem precedentes" em 2021
ONU: 'sistema energético mundial conduz a humanidade para uma catástrofe' (AerialPerspective Images/Getty Images)
ONU: 'sistema energético mundial conduz a humanidade para uma catástrofe' (AerialPerspective Images/Getty Images)
Por AFPPublicado em 18/05/2022 10:21 | Última atualização em 18/05/2022 10:21Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Quatro indicadores fundamentais da mudança climática bateram recordes em 2021, informou a ONU, com a advertência de que o sistema energético mundial conduz a humanidade para uma catástrofe.

As concentrações de gases do efeito estufa, o aumento do nível do mar, o conteúdo de calor dos oceanos e a acidificação dos oceanos "registraram valores sem precedentes" no ano passado, afirmou a Organização Meteorológica Mundial (OMM) no relatório "Estado do clima mundial em 2021".

O documento é uma "confirmação sombria do fracasso da humanidade para afrontar os transtornos climáticos", afirmou o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres.

Receba gratuitamente a newsletter da EXAME sobre ESG. Inscreva-se aqui

Guterres advertiu que o mundo se aproxima cada vez mais de uma "catástrofe climática" devido a um "sistema energético mundial" que está quebrado. Ele pediu a adoção de medidas urgentes para uma transição para energias renováveis, que é "fácil de alcançar" e permita o afastamento do "beco sem saída" que os combustíveis fósseis representam.

A OMM declarou que a atividade humana provocou mudanças em escala planetária: na terra, no oceano e na atmosfera, com ramificações nefastas e duradouras para os ecossistemas.

Em uma entrevista coletiva, o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas, destacou que a guerra na Ucrânia ofuscou a mudança climática, que "continua sendo o maior desafio da humanidade".

Recorde de calor

O relatório confirma que os últimos sete anos foram os mais quentes da história, de acordo com os registros disponíveis.

Os fenômenos meteorológicos vinculados a La Niña no início e fim de 2021 tiveram um efeito no resfriamento das temperaturas do planeta no ano passado. Mas, apesar disso, 2021 foi um dos anos mais quentes da história, com uma temperatura mundial média quase 1,11 grau Celsius acima do nível pré-industrial.

Evolução da temperatura média em comparação com os níveis pré-industriais.

Evolução da temperatura média em comparação com os níveis pré-industriais. (AFP/Divulgação)

O Acordo de Paris pretende limitar o aumento da temperatura no planeta a +1,5°C na comparação com a era pré-industrial.

"Seguimos agora para um aquecimento de 2,5 a 3 graus, ao invés de 1,5", disse Taalas.

"O calor retido na atmosfera pelos gases de efeito estufa de origem humana aquecerá o planeta durante muitas gerações. O aumento do nível do mar, a acidificação dos oceanos e o aumento de seu conteúdo de calor continuarão durante séculos, a menos que sejam inventados mecanismos para eliminar o carbono da atmosfera", acrescentou.

Aquecimento

Entre as quatro "mensagens cruciais" em termos de indicadores está o número de concentração de gases do efeito estufa, que atingiu um novo recorde mundial em 2020, com 413,2 partes de dióxido de carbono (CO2) por milhão (ppm) no mundo, ou seja, 149% a mais que o nível pré-industrial.

Os dados indicam que a alta prosseguiu em 2021 e no início de 2022, com uma concentração média mensal de CO2 em Mona Loa, no Havaí, que alcançou 416,45 ppm em abril de 2020, 419,05 ppm em abril de 2021 e 420,23 ppm em abril de 2022.

Evolução do nível do mar desde 1993 até a alta prevista para 2023.

Evolução do nível do mar desde 1993 até a alta prevista para 2023. (AFP/Divulgação)

O nível médio do mar em escala mundial alcançou um novo máximo em 2021, depois de aumentar a média de 4,5 milímetros por ano durante o período 2013-2021.

"Este número, que é mais que o dobro do registrado entre 1993 e 2002, deve-se principalmente a uma perda de massa mais rápida dos mantos de gelo", indica o documento.

A temperatura dos oceanos também atingiu um nível recorde no ano passado, e o calor "está penetrando em áreas cada vez mais profundas". "A camada superior dos oceanos, até 2.000 metros de profundidade, permaneceu aquecendo em 2021 e tudo indica que isto continuará no futuro, uma mudança irreversível em escalas de tempo de centenas a milhares de anos", afirmou a OMM.

Os oceanos absorvem quase 23% das emissões anuais de origem humana de CO2 que se acumulam na atmosfera. Embora isto desacelere o aumento das concentrações atmosféricas de CO2, este reage com a água do mar e leva à acidificação dos oceanos.

Durante este período, o relatório indica que o buraco na camada de ozônio sobre a Antártida foi "extenso e profundo", atingindo o máximo de 24,8 milhões de km2, uma superfície equivalente ao tamanho da África.

António Guterres propôs cinco ações para estimular a transição para energias renováveis, incluindo incentivar um maior acesso a tecnologias e materiais de energia renovável, triplicar os investimentos privados e públicos em energias renováveis e acabar com os subsídios aos combustíveis fósseis.

VEJA TAMBÉM:

Unilever reduz mais de 10 mil toneladas de plástico virgem em embalagens