ESG

Apoio:

logo_suvinil_500x252
Logo TIM__313x500
logo_unipar_500x313
logo_espro_500x313
logo_engie_500X252

Parceiro institucional:

logo_pacto-global_100x50

O que aprendi sendo a primeira mulher trans no conselho de uma grande organização

Gabriela Augusto, conselheira do CIEE, conta sua trajetória para a EXAME Plural e fala sobre os desafios da equidade no mercado de trabalho

Gabriela Augusto: "Ter diversidade na alta administração de uma empresa é uma decisão capaz de trazer benefícios para o negócio em si e para toda a sociedade" (Débora Oliveira/Divulgação)

Gabriela Augusto: "Ter diversidade na alta administração de uma empresa é uma decisão capaz de trazer benefícios para o negócio em si e para toda a sociedade" (Débora Oliveira/Divulgação)

EXAME Plural
EXAME Plural

Plataforma feminina

Publicado em 6 de março de 2024 às 17h17.

Por Gabriela Augusto

É amplamente conhecido que, em 2023, foram aprovadas novas regras de diversidade para empresas listadas na B3. De acordo com a Resolução CVM n. 59, as companhias que não tiverem ao menos uma mulher e uma pessoa de um grupo sub-representado em seu conselho de administração, fiscal ou diretoria estatutária precisarão se explicar ao mercado. 

Nesse sentido, a igualdade de gênero no alto escalão continua sendo um desafio. De acordo com um levantamento feito pela B3, divulgado em agosto de 2023, 55% das empresas com ações negociadas em bolsa no Brasil não têm mulheres entre sua diretoria estatutária, e 36% delas não têm participação feminina no Conselho de Administração.  

Quando analisados os critérios de autodeclaração de cor e raça, os dados são ainda mais alarmantes. A proporção de companhias com ao menos uma pessoa negra (preta ou parda) em um desses órgãos não passa de 11%. Em outras palavras, isso quer dizer que 89% das empresas não têm uma pessoa negra nem no conselho e nem na diretoria.  

Para além da presença feminina e do recorte racial, a representatividade de outros grupos é nula ou quase nula. Enquanto mulher negra e trans, assumi o conselho de uma grande organização no início deste ano e foi a primeira vez que algo assim aconteceu. Em uma busca realizada com dados publicamente acessíveis, não encontrei pessoas com essas mesmas características ocupando posição similar em outra empresa ou instituição de porte igual ou superior.  

"Durante toda a minha jornada corporativa, sempre tive que conviver com o fato de ser a única nos lugares onde estive"

Desde reuniões com a diretoria de grandes empresas, eventos de negócios, cursos de governança até listas de reconhecimentos como a Forbes Under 30. Estar sozinha sempre foi a regra e isso precisa mudar. 

Ter diversidade na alta administração de uma empresa é uma decisão (sim, demanda intencionalidade) capaz de trazer benefícios para o negócio em si e para toda a sociedade. Listo aqui algumas dessas vantagens: 

  • Perspectivas Ampliadas: Diversidade traz diferentes pontos de vista, experiências e conhecimentos para o conselho, o que pode levar a decisões mais inovadoras e bem informadas;
  • Melhor Representação do Mercado: Com membros do conselho que refletem a diversidade da base de clientes e stakeholders da empresa, é mais provável que as estratégias e políticas atendam a necessidades e expectativas de todos os grupos envolvidos;
  • Melhoria da Governança Corporativa: A diversidade no conselho pode promover uma cultura de prestação de contas e transparência, além de reduzir o risco de pensamento de grupo e comportamento de conformidade;
  • Aumento da Inovação: Diferentes origens e perspectivas podem estimular a criatividade e a inovação, levando a soluções mais eficazes para desafios empresariais e oportunidades emergentes;
  • Melhor Desempenho Financeiro: Estudos têm demonstrado uma correlação positiva entre diversidade no conselho e desempenho financeiro superior a longo prazo, indicando que empresas com conselhos diversificados tendem a superar seus concorrentes.

Em suma, minha experiência como a primeira mulher negra e trans a ocupar um assento em um conselho de uma grande organização ressalta a urgência de promover a diversidade em todos os níveis corporativos. Ao refletir sobre essa jornada, fica claro para mim que a mudança não acontece por acaso, mas requer uma intencionalidade deliberada por parte das lideranças. É crucial que as organizações transcendam suas próprias bolhas e adotem uma abordagem proativa para cultivar ambientes inclusivos. Quando os líderes assumem a responsabilidade pela inclusão, não apenas ampliam as oportunidades para indivíduos sub-representados, mas também fortalecem a capacidade da empresa de inovar, prosperar e impactar positivamente a sociedade como um todo. 

*Gabriela Augusto é diretora-fundadora da Transcendemos Consultoria e conselheira do CIEE - Centro de Integração Empresa-Escola. Foi premiada pela McKinsey & Company com o McKinsey LGBTQ+ Achievement Award e reconhecida pela consultoria Llorente y Cuenca como uma das influenciadoras em ESG/D&I mais relevantes do Brasil.

Acompanhe tudo sobre:Exame PluralMulheres

Mais de ESG

Relatório do Pnund aponta oportunidades em justiça, tecnologia e resiliência

Em 1984, a Basf criou uma ação para atender a lei ambiental, e descobriu uma estratégia de negócios

Indústria eólica dos EUA busca aprendizes sem medo para atender crescimento do setor

Como R$ 60 bilhões em investimentos em transmissão ajudam na transição energética do Brasil

Mais na Exame