ESG
Acompanhe:

NFT com propósito: brasileiros criam criptoativo para preservar a Amazônia

A Fundação Nemus é proprietária de 41 mil hectares de floresta e lança NFT para financiar serviços ambientais

 (Andre Dib/Pulsar)

(Andre Dib/Pulsar)

R
Rodrigo Caetano

22 de fevereiro de 2022, 09h54

As NFTs, segmento do universo cripto e blockchain que mais cresce atualmente, são difíceis de entender. Afinal, o que de fato se está comprando ao adquirir uma NFT de um macaco virtual, por 6 milhões de dólares, como fez o craque brasileiro Neymar e outras estrelas do porte de Eminem, Steve Aoki, Gary Vee e Justin Bieber? Talvez, se esse tipo de criptomoeda estivesse atrelado a algo mais concreto, as dúvidas sobre sua utilidade diminuíssem. Essa é a proposta da Fundação Nemus.

Criada por um grupo de empresários brasileiros do setor de manejo florestal sustentável, a Nemus está lançando uma NFT para serviços ambientais. As moedas virtuais já estão disponíveis na plataforma da fundação (nemus.earth). “Cada NFT é representado por uma localização georreferenciada de terras na Amazônia, e o seu dono poderá acompanhar em tempo real todos os projetos de conservação e atividades economicamente sustentáveis”, explica Flávio de Meira Penna, um dos fundadores da Nemus.

A Nemus é dona de uma área de 41 mil hectares de floresta no estado do Amazonas, tamanho equivalente ao do município de Ouro Preto, em Minas Gerais. As primeiras NFTs compreendem 8 mil hectares na região de Pauini, município amazonense. Segundo a fundação, há negociações em curso para expandir a área protegida para 2 milhões de hectares.

O que a NFT representa

Quem compra a NFT não está adquirindo terras. “A pessoa adquire uma área na camada virtual que corresponde exatamente à mesma área física”, diz Penna. Ela está comprando a promessa de preservação e o desenvolvimento de práticas sustentáveis, ajudando não só a desenvolver a região, mas criando empregos e melhorias econômicas para as comunidades locais, e ao mesmo tempo reduzindo o avanço do desmatamento ilegal na floresta.”

Para entregar o prometido, a Nemus vem estabelecendo bases operacionais na região para criar uma barreira de proteção. A fundação prestará serviços de restauração florestal, extrativismo sustentável e auxiliará a comunidade no processamento de produtos como copaíba, açaí, castanha e borracha. Também estão previstos investimentos em desenvolvimento social e infraestrutura dos vilarejos locais por meio da construção de clínicas e escolas comunitárias, centros de pesquisa, turismo ecológico, o que, naturalmente, gerará de empregos.

O universo cripto é diverso. Tem desde de macaco virtual de 6 milhões de dólares, até serviços ambientais que protegem a floresta e geram empregos. A decisão de investir depende do bolso e da consciência de cada um.

O que são NFTs e por que você precisa entender como esse mercado funciona

Se você não quer ficar para trás e entender por que nomes como Neymar, Eminem, Steve Aoki, Gary Vee, Justin Bieber e muitos mais estão investindo milhões neste setor, solte o play e entenda tudo o que você precisa saber sobre os NFTs.

Desmatamento na Amazônia em janeiro de 2022

O ano começou com números preocupantes de desmatamento na Amazônia brasileira. Em janeiro de 2022 foram identificados 430 quilômetros quadrados de área desmatada segundo dados do Deter/Inpe. Além de ser o maior registro para o mês de janeiro em toda a série disponível do Deter/Inpe, também é o único registro de desmatamento mensal acima de 400 quilômetros quadrados para o primeiro trimestre do ano, considerando a mesma série.

O desmatamento vem crescendo nos últimos anos, após um período de dez anos de estabilidade, atingindo 13.235 quilômetros quadrados em 2021, segundo dados do Prodes/Inpe. Mas o que tem sido observado é de fato uma mudança no processo do desmatamento ou apenas uma intensificação do que já vinha sendo observado?

Confira a evolução do desmatamento na Amazônia no site A Amazônia em Exame