ESG

Mulheres na tecnologia e o papel corporativo na equidade de oportunidades

Executiva reflete como equidade na tecnologia é jornada coletiva que inclui programas específicos e também estimular e apoiar sonhos individuais

Ilca Sierra: hoje na Samsung, executiva passou por diversas marcas de varejo.  (//Divulgação)

Ilca Sierra: hoje na Samsung, executiva passou por diversas marcas de varejo. (//Divulgação)

EXAME Plural
EXAME Plural

Plataforma feminina

Publicado em 11 de junho de 2024 às 15h52.

Tudo sobreExame Plural
Saiba mais

* Por Ilca Sierra

Equidade de gênero é sobre uma jornada de construção coletiva, como também é sobre permitir a todas nós, mulheres, sonhar sem amarras ou entraves. Durante meus mais de 20 anos no mundo corporativo, tive o privilégio de ser liderada por pessoas, sejam mulheres ou homens, que foram imprescindíveis para o meu desenvolvimento.

Com elas, além de me inspirar e acreditar que era possível também ser uma líder, aprendi que, sim, eu podia sonhar. E os sonhos nada mais são do que a nossa autoestima nos guiando em busca do que somos capazes, independentemente das dificuldades que encontramos pelo caminho.

Hoje, felizmente, posso atuar como agente dessa transformação de maneira mais contundente, tanto por tudo o que já conquistei em minha carreira quanto por estar em uma empresa de tecnologia, que tem em seu propósito a inovação – e, convenhamos, é impossível inovar sem diversidade.

Além de ajudar e valorizar a carreira de outras mulheres dentro da Samsung, tenho o privilégio de participar de um projeto que também diz muito sobre a minha carreira, o desenvolvimento da persona virtual “SAM” como influenciadora digital.

Essa personagem nasceu como uma expert em tecnologia e fã da marca e, hoje, amplia o seu papel. Sua missão é inspirar e incentivar a todos que querem prosperar no mundo da tecnologia e inovação, pois justamente ela se dá a liberdade de sonhar e, assim, vai em busca de tudo o que almeja.

Contudo, existem várias mulheres “reais” por trás da SAM. Além daquelas que tocam esse projeto no dia a dia, temos outras inspirações dentro de casa, como as mulheres do centro de pesquisa e desenvolvimento da companhia no Brasil, e os programas educacionais como o Solve For Tomorrow (SFT) e o Samsung Innovation Campus, que impulsionam meninas e jovens mulheres de toda a América Latina a perseguirem seus sonhos e irem além no ambiente da tecnologia, que historicamente é muito masculino.

Tais programas capacitam a próxima geração de cientistas como também fomentam a construção coletiva da equidade, garantindo o lugar de fala dos mais diversos perfis de profissionais de tecnologia.  Na última edição do SFT na América Central, por exemplo, quatro alunas de Belize desenvolveram o SMARTZ (Smart Cane and Glasses), um dispositivo inteligente que pode ser utilizado por pessoas com deficiência visual para se locomover com facilidade e evitar acidentes durante a movimentação e realização de suas tarefas diárias, estimulando a autoestima e a integração social das pessoas com deficiência visual. Como não se inspirar nessas meninas?

São nesses movimentos que incentivamos umas às outras a sonhar e quebramos vieses inconscientes, que muitas vezes até nós mesmas temos. Vencer o estereótipo de gênero no setor da ciência e tecnologia é defender o lugar de fala de todas nós e promover a equidade dentre as profissões do futuro. É mais uma peça na construção coletiva, de homens e mulheres, da equidade de gênero. É um pouquinho da SAM em todos nós.

*Ilca Sierra é CMO da Samsung para América Latina

Leia mais

Acompanhe tudo sobre:Exame PluralMulheres executivasDiversidade

Mais de ESG

Summit ESG: inclusão produtiva nas favelas como chave para desenvolvimento socioeconômico do país

Adaptar é preciso: por que é urgente acelerar o uso de Soluções Baseadas na Natureza

Desvendando as implicações da TI Verde nas atividades de ESG corporativo

Espírito de dono e Conselho de Administração: o exemplo de grandes grupos familiares brasileiros

Mais na Exame